Cursinho Risoflora realiza formação sobre educação popular

Os professores Douglas Belchior e Roberta Traspadini farão palestras sobre o tema em Vitória

Funcionando há cinco anos no bairro Maria Ortiz, em Vitória, o Cursinho Popular Risoflora está realizando este ano um ciclo de formações voltado para professores que queiram se aproximar dos conceitos e práticas da educação popular. A última etapa acontece no dia 27 de julho,de 8h às 17h, com inscrições abertas a partir desta quarta-feira (10) por meio de formulário online. A inscrição tem um valor de R$ 10 para cobrir o custo com o almoço. O local é a EMEF Juscelino Kubitschek de Oliveira, em Maria Ortiz.

A atividade será realizada em duas partes, tendo como convidados Douglas Belchior, professor de História e coordenador do cursinho Uneafro, em São Paulo, e Roberta Traspadini, professora da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), coordenadora do Observatório de Educação Popular e Movimentos Sociais da América Latina (Obepal) e educadora nos cursos de formação da Via Campesina, movimento mundial de camponeses. Douglas trará como tema "Perspectivas e desafios da educação popular do povo negro: cursinhos populares e a experiência do Uneafro". Roberta aborda "As experiências e os desafios da educação popular no Brasil e na América Latina". 

Foto: Divulgação

Um dos coordenadores do Risoflora, Gutemberg de Oliveira, explica que a proposta deste curso, almejado há muito tempo, é promover a formação dos educadores voluntários que atuam no cursinho, além de outros que possam se interessar pelo tema. "Muitos se aproximam e até começam a participar de uma experiência de educação popular sem ter muita experiência na prática educativa e com a complexidade que é a educação popular, que não é meramente uma transferência de conhecimentos", explica. 

Entre as questões que permeiam o Método Risoflora de Educação Popular estão a educação afrocentrada, buscando o resgate dos conhecimento ancestrais e produções científicas do povos africanos e afrobrasileiros; a consciência e respeito pela diversidade sexual e a educação de gênero, a educação periférica com foco no processo de ensino e aprendizagem com pessoas de periferia, e a experiência de educação popular como práticas de luta e resistência na perspectiva de uma educação libertadora. "São conteúdos que nos remetem a uma descolonização do conhecimento eurocêntrico e hegemônico imposto nas instituições educacionais, e nas demais instituições da sociedade", afirma Gutemberg.

Foto: Divulgação

No primeiro módulo do curso de formação, o tema foi afrocentricidade e educação. No segundo, gênero e sexualidade como questão de direito e educação. Ambas contaram com performance de artistas colaboradoras do cursinho, agregando a arte como linguagem para reflexão sobre as questões sociais e educacionais.

Nesta terceira etapa, dois reencontros especiais: com Roberta Traspadini, formada na Ufes e que no momento se encontra realizando cooperação técnica na mesma universidade, e com Douglas Belchior, que esteve em Vitória em 2014 e participou de um das reuniões em que se discutia a criação do Risoflora, inspirado na experiência do Uneafro.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Vitória concedeu mais de 21 mil licenças para professores nos últimos três anos 

Na rede de ensino da Capital, docentes têm se afastado por transtornos emocionais e psiquiátricos

Militarismo na educação: MEC pretende implantar 108 escolas cívico-militares

Medida, condenada por especialistas, está prevista em plano lançado nesta quinta em Brasília

MPC defende aprovação das contas de Hartung mesmo com rombo na Educação

Parecer do órgão ministerial não considera grave a manobra, alvo de ação de Majeski no Supremo

Rede Afirmação Cursinhos Populares ocupará Ufes como forma de resistência

Cursinho popular realizará no próximo sábado uma tarde de debates, filmes e oficinas na Ufes