Defensoria Pública divulga nota contra projeto Escola Sem Partido

Alegando inconstitucionalidade e censura prévia, Defensoria recomenda suspender projeto na Câmara

A Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES) divulgou nota, nesta terça-feira (26), manifestando-se pela inconstitucionalidade material e formal da Proposição Legislativa nº 225/2017, Programa Escola sem Partido, que tramita na Câmara de Vitória. De autoria do vereador Davi Esmael (PSB), o projeto já ganhou a alcunha de “Lei da Mordaça”.

“Inicialmente, esclarecemos que embora o nome da proposta indique alguma iniciativa positiva e traga em alguns dos seus artigos a reprodução de dispositivos constitucionais de suma importância, em realidade, trata-se de um projeto que viola direitos fundamentais consagrados na Constituição Federal, Tratados Internacionais de que o Brasil é signatário, além de contrariar decisões do Supremo Tribunal Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, bem como diversas outras normas relacionadas ao ambiente educacional e à liberdade de magistério”, disse a entidade na nota.

Segunda Defensoria, a Escola Sem Partido traz uma série de artigos com conceitos jurídicos demasiadamente indeterminados, o que, na verdade, tem como objetivo restringir a atividade do magistério e retirar qualquer segurança jurídica da atividade de ensinar. “Pela vagueza de suas definições, podem oportunizar a violação dos princípios da impessoalidade, da liberdade de crença, da liberdade de expressão, e, sobretudo, da segurança jurídica, uma vez que o professor não poderá saber de antemão o que é ou não permitido falar em sala de aula”, explicou a DPES.

Para a Defensoria Pública, não há dúvidas de que o projeto é inconstitucional, com vício de iniciativa e de competência, “já que referida matéria não poderia ser abordada e proposta por vereador em projeto de lei municipal, pois legisla sobre diretrizes e bases da educação nacional, matéria de competência legislativa privativa da União, cuja legitimidade de propositura seria do chefe do executivo. Neste sentido, existe a possibilidade jurídica já consagrada pelo STF [Supremo Tribunal Federal] da impetração de Mandado de Segurança por parlamentar da respectiva casa legislativa a fim de suspender a tramitação de projeto de lei por ofensa ao devido processo legislativo”.

“Por todo exposto, entendemos que a presente proposição legislativa, além de padecer de vícios formais, possui claro objetivo de censura prévia, de maquiar a realidade, de cercear a liberdade do professor e, sobretudo, de seguir na contramão da história e dos objetivos constitucionais já consagrados, havendo a possibilidade de que outros parlamentares do Município de Vitória possam valer-se da impetração de mandado de segurança preventivo visando obstar a tramitação do citado Projeto de Lei”, finalizaram os defensores públicos do Estado. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Plenário da Assembleia Legislativa acata pleito do governo e aprova LDO 2020

Presidente Erick Musso (PRB) liderou votação da lei, que teve única emenda aprovada de 201 apresentadas

Deputados assinam destaques para ampliar orçamento da Defensoria

Theodorico Ferraço já conseguiu 20 assinaturas para medida que visa o fortalecimento da DPES

Pacote de retrocesso

Alô, Luciano Rezende, vai deixar passar essa lei de Davi Esmael “contra a nudez”?

Sem consenso, Câmara Federal arquiva projeto sobre Escola sem Partido 

Em debate na Câmara desde 2014, caberá à próxima legislatura retomar o debate