Deputado rejeita antecipação de eleição da Mesa Diretora e aponta retrocesso

Dary Pagung, que é vice-líder do governo, diz que a pretensão visa manter Erick Musso no poder

“A quem interessa a antecipação da eleição da Mesa Diretora?”. O questionamento é do vice-líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Dary Pagung (PSB), e serve de título de nota distribuída nesta quinta-feira (7), manifestando-se contra a pretensão de alterar a data de escolha do comando do legislativo estadual.  

O posicionamento do parlamentar vai de encontro aos movimentos do presidente da Assembleia, Erick Musso (Republicanos), que teria a pretensão de antecipar a eleição da Mesa Diretora para o segundo semestre do próximo ano, antes das eleições municipais de outubro. 

Segundo o parlamentar, essa modificação somente interessa a membros da atual Mesa que desejam se manter em seus cargos indefinidamente e a todo custo. A alteração seria por meio de um Projeto de Emenda Constitucional (PEC), para o qual Erick já teria o apoio de 25 dos 30 deputados da Casa.

“O Espírito Santo já viveu tempos sombrios e nós nos posicionamos contra qualquer tipo de retrocesso. A última vez em que foi feita a antecipação de eleição da Mesa Diretora foi na Era Gratz”, comenta a nota de Dary Pagung. 

“José Carlos Gratz, então presidente da Assembleia Legislativa, apresentou esta mesma Proposta de Emenda Constitucional. Esta, aprovada em 12 de julho de 2000, garantiu que as eleições fossem realizadas no final daquele ano, manobra que o manteve à frente da Casa de Leis por mais dois anos (2001/2003)”, prossegue.

Segundo o texto do parlamentar, “somente em 2003, já com o deputado Cláudio Vereza [PT] na presidência do Legislativo, uma nova PEC foi aprovada, acabando com tal prática. A quem interessa essa modificação, senão a membros da atual Mesa Diretora que desejam se manter em seus cargos indefinidamente e a todo custo?”, reiterou.

Para Dary Pagung, “eles querem com isso assegurar as prerrogativas decorrentes dessas funções, e para isso, não limitam suas condutas e nem se pautam por princípios éticos e morais, como já vimos outrora”.

A nota conclui: “Caso esse absurdo volte a vigorar no Espírito Santo, estaremos sujeitos a macular a própria Instituição Legislativa. A aprovação da PEC será facilitadora do surgimento de comportamentos incompatíveis com um legislativo democrático, cristalizando estruturas viciadas e fechadas à renovação e busca de legitimidade política”.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Frente de policiais aciona OAB, Judiciário e Assembleia por pauta de valorização

Primeiro encontro será nesta quarta com ex-secretário Henrique Herkenhoff, presidente de comissão na OAB

Assembleia aprova uso de 75% de fundo penitenciário para indenização de vítimas

Nova utilização dos recursos, aprovada nesta quarta-feira (11), fixa usos de remuneração de internos 

Casagrande revoga redução de ICMS para medicamentos

Lei sancionada mantém alíquota em 17% e não em 12% como previa mudança aprovada em novembro

Servidores do Judiciário continuam na luta por reajuste salarial

Adda Lobato e Cid Cordeiro, do Sindijudiciário, cobram na Assembleia direito a reajuste anual