Documentário mostra relação dos quilombos e terreiros com o dendê

"Senhoras do Dendê" retrata usos culinários e rituais da árvore trazida da África junto com os negros

Foi lançado no último fim de semana o documentário Senhoras do Dendê, que contou com exibições nos quilombos de Linharinho e Angelim e no povoado de Itaúnas, em Conceição da Barra. Originário da África, os dendezeiros foram trazidos ao Brasil junto aos negros escravizados na época colonial. Por seu azeite e outros usos alimentícios e rituais, tornou-se elemento fundamental especialmente nas religiões de matriz africana e nos quilombos surgidos no país.

No Espírito Santo, na principal área quilombola, conhecida como Sapê do Norte, englobando os municípios de Conceição da Barra e São Mateus, as chamadas Senhoras do Dendê são guardiãs dessa tradição, mantendo e transmitindo os saberes e fazeres coletivos que vão desde o cultivo até a extração dos frutos e elaboração do azeite e seu uso. Seja no Sapê do Norte como na Grande Vitória, algumas senhoras ocupam posições de destaque nas casas de candomblé e umbanda, onde se faz uso do dendê seja para cozinhar alimentos como o akará (também conhecido como acarajé) como para uso das folhas da planta em rituais.

Foto: Divulgação/ Senhoras do Dendê

O projeto que resultou no documentário foi fruto de encontros entre estas Senhoras do Dendê de diferentes lugares, muitas delas que ainda não se conheciam. "Nesses encontros discutiam-se a memória, a ancestralidade e a territorialidade afro-brasileira em torno do dendê, destacando o uso sagrado, culinário e cosmético dessa planta de origem da costa atlântica do continente africano que se adaptou ao Sapê do Norte desde o tempo da escravização de africanos neste território", diz a descrição do projeto.

Há muito tempo as comunidades quilombolas fazem manejo sustentável dos dendezeiros, embora denunciem que as empresas que praticam monocultivo de eucalipto desde os anos 60 junto a órgãos públicos busquem criminalizar e exterminar os dendezeiros sobre alegação de serem "exóticos", embora sejam considerados pela Embrapa como espécie subespontânea não-invasora e não exista em forma de monocultivo na região, ao contrário do eucalipto.

“A história do dendê eles tão fazendo igual fez com nossos antepassados que veio da África: matando! Porque se eles tiram o dendê de nossa vida sabem que tão tirando uma cultura e um alimento sagrado de nossa mesa. Pra nós o dendê é tudo. Pra muitas pessoas o dendê é um invasor, mas não é. O dendê já veio acompanhando os africanos desde África. Quer dizer então que nós somos invasor?”, questiona Gessi Cassiano, da comunidade de Linharinho que é mestra nos ofícios culinários e também desempenha funções em questões religiosas.

Foto: Divulgação/ Senhoras do Dendê

Outra dessas guardiãs do dendê no quilombo é Dona Claudentina Trindade, a Dintina, da comunidade de Angelim 1. Ela conta que toda Sexta-Feira Santa sua mãe chamava toda família para tomar uma colher de azeite de dendê com alho em jejum. "Dizia que era para fechar o corpo". 

Além de mestre em ofícios tradicionais da cozinha quiombola, ela também é preparadora de remédios de ervas, para benzimentos, rezas, ladainhas. Dintina aponta que além de ser necessário uma série de práticas para transformar o fruto em azeite, também há certas tradições e rituais que envolvem o processo. "Tem muita ciência pra tirar o óleo. Na hora de apurar no fogo, que o óleo vai subir, tem que ter o silêncio. Não pode falar muito, não pode gritar, não pode tomar raiva, não pode zoada nenhuma”, conta Dona Claudentina.

Com 40 minutos de duração, o documentário teve direção de Jefferson de Albuquerque Junior, Auzerina Baptista e Jefferson Gonçalves."O trabalho buscou destacar a fala de cada mulher, sacerdote e sacerdotisa sobre o dendê na cultura dos povos africanos e seus descendentes", explica Jefferson Gonçalves. Depois da apresentação do documentário na região em que foi gravado, a expectativa é que a obra em breve seja exibida também em São Mateus e Vitória e depois em outras localidades, em datas ainda a confirmar.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Cainã realiza financiamento coletivo para gravar novo disco

Cantor de Linhares e sua banda, primeiros capixabas a tocarem no Rock In Rio, vão gravar no Rio de Janeiro

César MC lança música em homenagem ao Flamengo

Rapper capixaba recebeu convite do clube da Gávea para gravar clipe após vídeo com rimas improvisadas

As bancas não vendem mais revista nem jornais

Com crise do mercado editorial, espaços das bancas de revista são ressignificados no Centro de Vitória

Bernadette Lyra lança livro de crônicas sobre Vitória

Na coluna: MC Adikito com novidade pesada, Roberta de Razão lança EP, game Crackinho busca financiamento