Dramaturgias de mulheres LGBTT serão apresentadas no Palácio Sônia Cabral

Evento Transgressoras terá leituras dramáticas de escritoras capixabas sobre sexualidade feminina

O protagonismo da noite será delas. Na voz e no palco são as mulheres que interpretam os textos escritos por elas. O projeto Elas Tramam, realiza uma edição especial de leituras dramáticas com o nome Transgressoras - Dramaturgias LGBTT, espetáculo apresentado nesta sexta-feira (15), às 20h, no Palácio Sônia Cabral, Centro de Vitória. A entrada será gratuita para travestis e transexuais.

Serão apresentadas seis dramaturgias escritas por mulheres capixabas e interpretadas pelas próprias integrantes do coletivo. Do drama à comédia, histórias que falam da adolescência de uma transexual, dos conflitos entre sexualidade e religião para uma mulher lésbica, de um texto escrito a partir de recortes de jornais com reportagens sobre violência contra homossexuais, de um casal de idosas lésbicas e da vida de uma travesti que se prostitui.

Duas das obras foram escritas por Alessandra Pin, transexual, que não poderá estar presente e terá seus textos interpretados por Simone Pessali, também mulher trans. Priscilla Gomes, que é lésbica, assina uma das dramaturgias e as outras são de mulheres que, mesmo não sendo LGBTT, abordam a temática da sexualidade e preconceito: Patrícia Eugênio e Rejane Arruda. A apresentação das esquetes e performance vai contar com atuação de outras das 12 integrantes do Elas Tramam.

O projeto surgiu há três anos, a partir da inquietação da diretora e dramaturga Nieve Matos, ao notar a pouca produção ou visibilidade de textos teatrais por mulheres. "Digitei 'dramaturgas' no Google e ele autocorrigiu para 'dramaturgos'". O curioso não-reconhecimento digital da presença feminina obviamente não é casual, e está relacionado com a realidade em que vivemos.

A partir da formação do grupo do Elas Tramam, foram reunidas mulheres que escreviam dramaturgia no Espírito Santo. "Nosso grupo se apresentou como muito diverso, e a partir dessa diversidade naturalmente foram aparecendo necessidades de falar de certas coisas. Inicialmente do universo feminino e, dentro desse universo, abordar a questão das mulheres negras, periféricas, transexuais, por um desejo das autoras de levantar questões que não são encontradas na dramaturgia tradicional", relata Nieve Matos.

Algumas das peças que foram escritas pelas mulheres do Elas Tramam estão em processo de montagem e devem ser apresentadas em breve. Enquanto isso, as leituras dramáticas têm sido uma forma de tirar o texto do papel e colocá-lo no palco.

Priscilla Gomes se diz feliz e animada para a apresentação, que será a primeira em que ela sobe num grande palco, embora tenha participado de leituras dramáticas em espaços menores. "Eu sempre escrevi, desde criança, colocando para fora a dor, o vazio e a solidão, descarregava isso na escrita". Quando encontrou o anúncio do Elas Tramam, com a chamada "“Procura-se mulheres que escrevam drama ou queiram escrever", se identificou na hora. Não imaginava que pouco tempo depois teria duas dramaturgias publicadas. "Somos anônimas que agora estamos tendo nome, mas ainda há mulheres escondidas, preciosidades", afirma.

Ela acredita que, apesar da onda conservadora, também há crescimento da produção feminina e LGBTT e, junto com isso, a tentativa de sufocar, diz citando as censuras e tentativas de restrições sobre obras como 'O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Rainha do Céu', em que Jesus é interpretado por uma travesti. "Temos mulheres trans e lésbicas escrevendo e atuando, mulheres cis que também apoiam a causa. Há muita gente colocando para fora com coragem sua escrita LGBT. Eu cresci assistindo filmes românticos héteros, falta representatividade" reclama Priscilla.

Na sexta-feira, o palco será totalmente delas.

AGENDA CULTURAL

Transgressoras– Dramaturgias LGBTT

Quando: Sexta-feira, 15 de fevereiro, 20h

Onde: Palácio da Cultura Sônia Cabral - Praça João Clímaco, Centro de Vitória/ES

Quanto:  R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

*Gratuito para pessoas trans e travestis

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Riscadas retrata a arte como ferramenta no combate à violência contra a mulher

Documentário capixaba estreou em Portugal e fez pré-estreia nacional em Vitória