É jogo jogado

Casagrande ainda não assumiu, mas articulações já mostram o retorno da democracia no Estado

A vitória de Renato Casagrande (PSB) ao governo resulta na volta da democracia no Espírito Santo e, praticamente, no alijamento do governador Paulo Hartung (sem partido). Basta ver a movimentação que tem ocorrido em busca de posições e reposições na vida política capixaba.

O prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), se reposiciona dentro de uma possível fusão da Rede com o PPS, partido do prefeito de Vitória, Luciano Rezende. Deixa claro que se vê investido da condição de disputar a sucessão de Casagrande.

Outro movimento semelhante vem do prefeito de Vila Velha, Max Filho (PSDB), que com um noivado em vias de casamento com o recém-criado Avante, também segue nesta direção de futuro postulante a ocupar um cargo no Palácio Anchieta. 

Já o deputado federal eleito, Amaro Neto (PRB), faz parte da lista daqueles que, com certeza, pretendem disputar a prefeitura de Vitória. Convenhamos que os seus mais de 180 mil votos o credenciam para isso, entretanto, há movimentações de um grupo que quer empurrá-lo para ser candidato a prefeito na Serra, tirando-o da Capital. A intenção é facilitar a eleição do deputado estadual eleito Fabrício Gandini (PPS) à sucessão de Luciano.

Cito algumas situações para mostrar que a democracia voltou ao Estado depois de um longo período conhecido como a Era Paulo Hartung, que “nomeava” os candidatos a deputados e a vários outros cargos ao seu bel prazer, comandando sozinho a política local.

Casagrande tem um temperamento bem diferente. É homem de diálogo, faz política negociando, sabe levar e dar rasteira, e, ao contrário de PH, não é temido.

Outra situação nova, que também merece ser lembrada, é a passagem do deputado federal Carlos Manato (PSL) para o andar de cima da política capixaba, credenciado por cerca de  27% dos votos  nas eleições ao governo, quando foi apoiado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Manato só não foi para o segundo turno contra Casagrande porque a senadora Rose de Freitas (Podemos) saiu da rua, afastando-se da disputa real para facilitar a vitória socialista. Agora, à frente do PSL estadual, está em campo para delimitar seu território.

A democracia já está aí, antes mesmo de o governador eleito tomar posse. Tardou, mas veio. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Governo cria mecanismo para diversificar aplicação de dinheiro do petróleo

Com o Fundo Soberano, Casagrande pretende viabilizar investimentos em área vitais para a economia

Estado Presente pode aumentar mortes nas periferias e criminalizar a pobreza

Entidades do movimento social criticam que políticas sociais só terão início no segundo semestre deste ano

Ministro do STJ se posiciona contra uso de tabela da OAB para pagar dativos

Rogerio Schietti criticou os gastos que os estados têm com os dativos em detrimento de Defensoria

Casagrande diz que não negará parceria com o governo Bolsonaro 

Renato Casagrande aprova a reforma da previdência, mas acha difícil a tramitação de um regime a outro