É ruptura, mesmo!

Com Casagrande em evidência no Estado, Hartung produz fatos políticos no campo nacional

Sempre que pode, o governador eleito, Renato Casagrande (PSB), se refere a uma palavra que já está virando mágica: ruptura. Sinaliza dizer que, para todos os efeitos, não há qualquer possibilidade de entendimento com o seu antecessor, o governador Paulo Hartung (sem partido).

Casagrande cravou e tem levado essa palavra a sério. O episódio de escolha da próxima Mesa Diretora da Assembleia Legislativa ilustra bem a situação. PH estava tentando a reeleição do deputado Erick Musso (PRB) e Casagrande apareceu “cantando de galo”, com o recado de que ali ninguém bota a mão, pois é ele quem vai participar do processo. 

Um aviso de Casagrande para PH procurar outro pouso, como quem diz: “não tem papo! O socialista é um dos políticos mais espertos do Estado e tumultuou bastante a vida de PH, que hoje sofre com as consequências do resultado eleitoral que o afastou do Palácio Anchieta e enfraqueceu o seu poder político no Estado. 

Esta situação, nova para PH, tem feito com que ele promova, cada vez mais, sua fuga para a área nacional, agora com o propósito de chegar ao campo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Basta ler suas declarações nos jornais deste sábado (24). 

Com essas movimentações, o governador tenta se manter em evidência, neste momento em que perde visibilidade para Casagrande. Produz fatos político o tempo inteiro, para manchetes na imprensa capixaba, em que diz e desdiz ao seu tempo e hora o que quer, sem contestação.  

O escudo da vez é o apresentador de TV, Luciano Huck, que veio ao Estado para encontro com a nata do empresariado em Pedra Azul – sempre lá –, onde os dois trocaram elogios rasgados. Convenhamos, um lucrativo escudo para o atual cenário do País.
 
Antes um opositor declarado de Bolsonaro, inclusive com recomendações públicas contra o voto nele, Hartung agora já admite apoiá-lo pelo bem do Brasil. Que loucura é essa? 

Também acena para Paulo Guedes, futuro ministro de Economia de Bolsonaro, com a credencial de ser da área, e usando a Reforma da Previdência como justificativa. 

Não demora muito, é capaz de PH se oferecer para compor o governo de Bolsonaro. Será esta uma preparação para o seu futuro, para se livrar do “fantasma” Casagrande?

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

TCE rejeita pedido de medida cautelar de Majeski e aprova contas de Hartung

O voto do relator Sérgio Borges, que destaca o cumprimento da legislação, foi seguido pelo Plenário

MPC defende aprovação das contas de Hartung mesmo com rombo na Educação

Parecer do órgão ministerial não considera grave a manobra, alvo de ação de Majeski no Supremo

Plenário da Assembleia Legislativa acata pleito do governo e aprova LDO 2020

Presidente Erick Musso (PRB) liderou votação da lei, que teve única emenda aprovada de 201 apresentadas

Majeski pede ao TCE suspensão da análise das contas de Paulo Hartung

Deputado aponta um desvio de R$ 4,4 bilhões na área de educação na gestão do ex-governador