Elisa Lucinda fará lançamento de seu segundo romance em Vitória

Edite, uma mulher negra, é protagonista do 'Livro do Avesso' apresentado no sábado no Trapiche Gamão

O ritmo de produção de Elisa Lucinda é frenético. Poetisa, escritora, atriz, cantora, está sempre produzindo e criando novas possibilidades. Apesar do notável talento nas letras, especialmente na poesia, seu primeiro romance saiu apenas em 2014. Mas foi a partir dele que já veio a segunda obra, Livro do Avesso: o pensamento de Edite, que será lançado no próximo sábado (31), às 18h, em seu estado natal. O local é o Trapiche Gamão, no Centro de Vitória, contando com leituras e um bate-papo com a autora, mediado pelo secretário de Estado da Cultura, Fabricio Noronha.

O Livro do Avesso surgiu justamente enquanto escrevia seu primeiro romance, Fernando Pessoa: Cavaleiro de Nada, em que mergulha na vida e obra do poeta português, ao mesmo tempo em que revisava outro livro. A imersão na primeira obra e a pressão pela entrega da outra criou um desassossego no peito da artista. Era preciso extravasar. Assim nasceu Edite. "Comecei a fazer umas anotações de um modo quase escondido de mim. Ninguém podia saber que eu estava escrevendo outra coisa além das encomendas já em curso; nem eu. Qualquer pensamento que passasse na minha cabeça e que fosse  simples, livre, solto, eu comecei a anotar", relatou Elisa. Essas anotações do avesso foram ganhando força e a escritora desenhou na obra uma mandala existencial com mais de 100 observações sobre sua personagem nascida de forma quase clandestina dentro de sua vida artística.

Além da mesma inicial e mesmo número de letras no nome, Edite e Elisa guardam outras semelhanças: mulheres, negras, que defendem a liberdade feminina. "A maioria das passagens teve seu nascedouro na realidade. Viraram ficção quando se tornaram literatura. Agora eu acredito até no que inventei. Acredito na Edite", relata.

É na intimidade da personagem que o leitor está convidado a entrar, por meio de uma prosa poética de uma mulher que leva uma vida normal, entre cuidados com a casa e a beleza, mas diante de tantos dilemas da nossa sociedade, com seus preconceitos, tradições e imposições sociais e religiosas, que têm um peso especial sobre as mulheres negras. "Edite não é uma ativista, oficialmente falando. Seu discurso não é panfletário, ela não está num comício, todas as suas observações políticas são ditas de um ponto de vista muito íntimo e pessoal. Não têm grandes extensões teóricas. Edite não fica em silêncio. Edite é singela na sua compreensão do mundo e esse pra mim é o seu charme", conta.

Com 156 páginas, o livro sai pela Editora Malê, criada em 2016 buscando valorizar escritores negros e ampliar a diversidade no mercado editorial do país, publicando tanto escritores consagrados como novos talentos da literatura brasileira.

AGENDA CULTURAL

Lançamento do Livro do Avesso: o pensamento de Edite, de Elisa Lucinda

Quando: Sábado, 31 de agosto, 18h

Onde: Trapiche Gamão - Rua Gama Rosa, 236 - Centro de Vitória/ES


 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Burarama, a queridinha do cinema capixaba

Com casas históricas e belas paisagens, distrito de Cachoeiro virou cenário de filmes e sede de festival

Fabio Pinel mostra seu dom de cantar

Sambista da nova geração do Espírito Santo lança seu primeiro álbum de obras autorais

Poetisa popular ganha homenagem nos muros da Serra

Na coluna: hinos do carnaval, novo ateliê no Centro, livros censurados em exposição, Carnaval de Congo

Reciclafolia já aproveitou mais de 50 toneladas de fantasias no carnaval

Projeto surgiu de moradores do entorno do Sambão do Povo preocupados com descarte incorreto pós-desfiles