Em novo local, Movimento Samba Novo apresenta canções inéditas

Articulando compositores capixabas, MSN chega à marca de 80 novos sambas lançados para o público

Iniciativa que tem ajudado a impulsionar a produção do samba capixaba, o Movimento Samba Novo (MSN) se prepara para o lançamento de seu quarto caderno, reunindo 20 novas canções inéditas. O último ensaio geral já aconteceu e o grupo formado por cantores e compositores apresenta as novas músicas na quarta-feira (18), às 20h, na Casa da Nação, novo espaço no bairro de Jucutuquara, em Vitória. A entrada é gratuita.

Como o nome sugere, o MSN não é uma banda, mas um movimento. Reúne músicos que possuem seus projetos em paralelo seja solo ou com bandas, mas que buscam se reunir para fortalecer a cena autoral e trocar ideias e experiências com outros que fazem o mesmo. Estreou em maio do ano passado e vem formando público e também atraindo novos compositores, como Evandro Belumatti, que estreia no movimento neste quarto caderno.


Foto: Leonardo Sá

Os cadernos reúnem novas composições e são distribuídos para o público presente acompanhar as letras tocadas pelo conjunto de artista, que se revezam na voz e instrumentos. "É importante para dar visibilidade ao samba autoral capixaba. Porque tem uma certa escassez de ambientes em que toque música autoral. A proposta do movimento é oferecer para Vitória uma coisa autêntica, original", diz Átila Ibilê, um dos idealizadores do projeto, inspirado em outros eventos de compositores que existem no Brasil. 

Como é tradição, o quarto caderno será apresentado em quatro eventos, sempre às quartas-feiras, a cada duas semanas. Ou seja, o calendário de apresentações será nos dias 18 de setembro e 2, 16 e 30 de outubro, a serem confirmadas nas páginas do movimento no Facebook e Instagram.

Com o quarto caderno, o movimento já terá apresentado ao público cerca de 80 composições autorais. Interessante, também, é que o MSN vem promovendo a troca entre os artistas. "Muitos sambas foram gravados em parcerias que surgiram dentro do movimento, entre compositores que nem se conheciam antes", ressalta Átila.

Os cadernos costumam apresentar grande diversidade rítmica e temática, sambas-canção, partido alto, afro-sambas, sambas modernos, tratando de amor, ancestralidade, questões sociais e outros temas. Uma amplitude que representa a produção que se faz no Espírito Santo. 


Foto: Leonardo Sá

Átila Ibelê faz um convite ao público que aprecia um bom samba e também a pequenos e médios empresários que queiram apoiar a iniciativa ajudando a custear os eventos em troca de promoção de sua marca nos espaços do MSN, que vem sendo sustentado com poucos recursos mas muita disposição.

No lançamento do novo caderno, o Movimento Samba Novo retorna para perto de onde se iniciou. As duas primeiras edições foram no Mercado de São Sebastião, em Jucutuquara. O terceiro caderno foi apresentados no Bar da Zilda, outro reduto do samba na capital, no Centro. Desta vez será no Terraço da Nação, espaço inaugurado recentemente que faz alusão à escola de samba do bairro, Unidos de Jucutuquara.

AGENDA CULTURAL

Lançamento do quarto caderno do Movimento Samba Novo

Quando: Quarta-feira, 18 de setembro, 20h

Onde: Casa da Nação - Avenida Paulino Muller, 1351, Jucutuquara - Vitória/ES.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Rock in Doce fará tributo musical ao Rio Doce em Baixo Guandu

Coluna CulturArte: Dead Fish será atração de festival, edital da Secult, cinema brasileiro em cartaz

No Território do Bem, feijoada vai ajudar a financiar projetos comunitários

Grupo Leq Samba é uma das atrações do evento que envolve nove bairros em apoio a iniciativas sociais

Com material reciclado, peça de bonecos alerta para preservação dos mares

Espetáculo 'Jubarte - Uma Aventura Oceânica' será apresentado no Cine Teatro Ribalta, em Jardim Camburi

Artistas organizam abraço simbólico ao Theatro Carlos Gomes

Ato no sábado pressiona por resposta sobre situação do edifício histórico fechado há quase dois anos