Emenda viabiliza recursos para prevenção e combate à tortura no Estado

Dispositivo de autoria de Iriny vai implementar o Mecanismo Estadual, que atende a compromisso com a ONU

O trabalho de prevenção e combate à tortura no Espírito Santo vai ganhar um reforço importante. Emenda parlamentar de autoria da deputada estadual Iriny Lopes (PT), que prevê recursos para a criação e efetivação do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura (Mepet-ES), a Emenda 76, foi aprovada pelos deputados estaduais nesta semana dentro do Plano Plurianual (PPA 2020-2023).

O Mecanismo é mais um instrumento (junto com o Comitê Estadual de Prevenção e Erradicação da Tortura – Cept, que já existe) que atende ao compromisso internacional assumido pelo Estado brasileiro em 2007, ao ratificar o Protocolo Facultativo à Convenção Contra Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes da Organização das Nações Unidas (ONU).

O Espírito Santo, desta forma, segue na contramão do governo federal, que violou tratados internacionais de combate à tortura ao quase extinguir o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), com um decreto presidencial editado em junho deste ano. A nova legislação exonerou todos os peritos, responsáveis por vistorias e elaboração de relatórios sobre indícios de prática de tortura em presídios, unidades socioeducativas e também em hospitais psiquiátricos.

“Com a aprovação, esperamos que o Mecanismo Estadual seja instituído, de forma a monitorar presídios, unidades socioeducativas, abrigos, enfim, todos os espaços de privação de liberdade. Queremos enfrentar os graves problemas existentes nesses locais, como superlotação, alimentação deficiente ou deteriorada, falta de acesso à saúde, educação, entre outros fatores”, defendeu Iriny.

Para Gilmar Ferreira, do Centro de Defesa de Direitos Humanos da Serra (CDDH/Ser), a deputada potencializa a luta pelos direitos humanos por conhecer bem a pauta, especialmente a necessidade de implementação de políticas concretas para garantir e promover os direitos humanos. “A implementação do Mepet é imprescindível neste momento de obscurantismo no Brasil. A emenda é um passo significativo para prevenir e buscarmos erradicar esse crime, cruel, hediondo, inafiançável, imprescritível  e contra a humanidade”, afirmou o militante.

Já o defensor público Hugo Fernandes, presidente do Comitê de Prevenção e Erradicação da Tortura do Espírito Santo (Cepet-ES), explica que a emenda é muito significativa, pois, apesar do Estado ser um dos primeiros a organizar o sistema de prevenção e combate à tortura em 2013, só havia implementado o Comitê, enquanto o Mecanismo continuava apenas no papel.  

“Com a emenda será possível criar cargos de perito, estruturar a aparelhar o Mecanismo Estadual, atendendo aos anseios do Comitê, da sociedade civil e dos órgãos ligados à prevenção e combate à tortura, porque permite que o Espírito Santo avance na política. É mais um passo para construção e efetivação do sistema de prevenção e combate à tortura”.  
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Emenda de R$ 4 milhões garante viagens de jovens em competições

Iniciativa do deputado Sergio Majeski foi aprovada no PPA 2020-2023 para alunos da rede estadual de ensino

Brasil no banco dos réus da ONU por fim do mecanismo de combate à tortura 

Para militante do Estado, Gilmar Ferreira, governo Bolsonaro expõe internacionalmente uma necropolítica 

Capitão Assumção articula apoio para instaurar 'CPI da Corregedoria da PM'

Deputado citou mais três mortes na corporação e defendeu investigação aos "abusos" e ''perseguições''

Coletivo Dona Astrogilda fortalece movimento feminista em Aracruz

Várias atividades marcam primeiro aniversário do grupo, que será comemorado com debate na Câmara