Enivaldo quebra tom de festa na Assembleia e critica MP e Tribunal de Justiça

Enivaldo repudiou ausências na sessão e avisou que o MPES e o Tribunal de Justiça começaram mal o ano

“A nossa manifestação é para lamentar profundamente o descaso do poder Judiciário e do Ministério Público em não comparecer a uma solenidade abertura da Assembleia Legislativa. Assembleia que eles conhecem muito, porque toda vez que tem orçamento aqui eles aparecem nos corredores e nos gabinetes dos deputados buscando apoio e ajuda para os seus interesses”. 

Com esse fala, o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) desandou o clima festivo de abertura da 19ª Legislatura, que marcou nesta segunda-feira (3) o início dos trabalhos na Assembleia Legislativa, em uma sessão esvaziada de autoridades e recheada de discursos de troca de elogios. Enivaldo fazia referência ao não comparecimento do desembargador Ronaldo Gonçalves de Souza, presidente do Tribunal de Justiça, e Eder Pontes, procurador-geral de Justiça, que sequer enviaram representantes. 

Entre as autoridades que prestigiaram a sessão solene, realizada no Plenário da Assembleia com várias cadeiras vazias, a vice-governadora, Jaqueline de Moraes (PSB), representando o governador, que está em Brasília, o vice-presidente do Tribunal de Contas, Domingos Tauffner, e o secretário-chefe da Casa Civil, David Diniz, além de representantes da Defensoria Pública e de parlamentares da bancada federal.  

Para Enivaldo dos Anjos, a maioria dos poderes tenta se considerar isolada do Executivo e do Legislativo, como se fosse a parte boa da representação pública e o Legislativo e o Executivo as partes que merecem todas as críticas, todas as desonras, principalmente colocadas pela imprensa. “É fácil e nós sabemos disso e aqui no Espírito Santo aprovamos um orçamento e sabemos que só o poder Judiciário consome R$ 1,1 bilhão do imposto da população e o Ministério Público mais R$ 200, quase R$ 300 milhões”. 

Depois de citar a necessidade de estar alerta para a  economia, acrescentou”: “E nós caminhamos nessa dificuldade permanente de economia, às vezes ruim, às vezes equilibrada, e sabemos da responsabilidade de dar conta da coisa pública não é só do Executivo e do Legislativo, é também desses poderes, especialmente do Judiciário, onde os pobres buscam Justiça, que, às vezes chega 10, 15 anos após, levando a conflitos e até à morte”.   

O parlamentar relembrou que a Assembleia tem sido parceira dos outros poderes e destacou que recentemente aprovou uma lei em benefício do Ministério Público, que hoje “nem se dá ao luxo de comparecer à abertura do ano legislativo. O Tribunal de Justiça e o Ministério Público começaram mal com a Assembleia Legislativa”. 

Além de Enivaldo, também o deputado José Esmeraldo (MDB) subiu o tom, ao afirmar que 2020 será um ano difícil, referindo-se às eleições municipais de outubro. “Vou botar areia na farofa de muito pilantra e quem tem rabo preso não vai ter como esconder o rabo”, disse, e destacou as perseguições políticas, que, para ele já começaram. “Vai ser ano de vaca não conhecer bezerro”, ressaltou. 

José Esmeraldo é pai do vice-prefeito de Vitória, Sérgio Sá (PSB), exonerado do cargo de secretário de Obras da Capital, na última sexta-feira (31), 24 horas depois de anunciar sua pré-candidatura a prefeito de Vitória, colocando-se em oposição ao prefeito Luciano Rezende e ao seu candidato ao mesmo cargo, deputado Fabrício Gandini, ambos do Cidadania.  

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Sergio Majeski quer reduzir número de assessores na Assembleia Legislativa

O deputado estadual trabalha com nove assessores em seu gabinete, dez a menos do permitido

Parecer do MPF é contra novas eleições para Mesa Diretora da Assembleia

Manifestação em ação da OAB diz que ato de Erick Musso é inconstitucional e lesa o interesse coletivo

Semana marca reinício do ano legislativo em clima de campanha eleitoral

Pelo menos 15 dos 30 deputados estaduais têm os nomes cotados para candidatura às prefeituras este ano

Deputados aprovam três projetos do governo para enfrentar tragédia das chuvas 

A sessão de aprovação dos projetos interrompeu o recesso parlamentar dos deputados estaduais