Entre Brasil e Cuba, Wilson Coelho lança seu 20º livro

A obra ‘Nosotros’ reúne histórias curtas mas continuadas, que compõem 29 capítulos e mais de 300 páginas

Revolucionário, Wilson Coelho nasceu em 1959, ano em que ocorreu a Revolução Cubana. Já seu pai, conservador, veio ao mundo num 4 de julho, dia em que se comemora a independência dos Estados Unidos. É da contradição entre pai e filho que se inicia Nosotros, vigésimo livro de Wilson, publicado pela Editora Cousa.

O Brasil vivia uma ditadura e Wilson era uma criança de nove anos que já tinha lido Dostoievski e Oscar Wilde, e ouvia por trás da porta a conversa de seu pai e um amigo da maçonaria, desferindo críticas contra o comunismo e o senhor barbudo que estampava a capa da revista Time que traziam em mãos, que depois o pequeno Wilson descobriria ser Fidel Castro.

São histórias curtas mas continuadas que compõem os 29 capítulos e mais de 300 páginas da obra, escrita em primeira pessoa com relatos de quem vivenciou nas últimas décadas um intenso intercâmbio com a América Latina e especialmente com Cuba, sobretudo por meio dos movimentos culturais, tendo circulado em importantes festivais e dialogado com artistas de grande relevância para o continente.

Wilson coloca a obra entre romance, ensaio, ficção e realidade. “Como não existe uma linha reta para definir o que é real e nem eu queria fazer um livro de realismo fantástico, as lacunas do real eu preencho com ficção”, conta o escritor, que também é “músico, diretor de teatro, poeta, contista, romancista, tradutor e filósofo, artista rebelde”, conforme descreve José Arrabal, que assina o prefácio da obra.

A cada início de capítulo, Wilson Coelho traz epígrafes com poemas ou canções de grandes nomes da arte e cultura latino-americanas, como Violeta Parra, Mario Benedetti, Raul Seixas, Victor Jara, José Martí, Nicolás Guillén e Castro Alves, referências preciosas para quem quer se aproximar de nossos “hermanos”. O próprio nome da obra, Nosotros ("nós", em espanhol), remete ao chamado do autor à integração, para que os brasileiros sintam-se também latino-americanos.

São muitas histórias transitando desde Vitória até Havana, passando também por outras cidades. Wilson entende porém que o protagonista do livro é Cuba, e o personagem, ele mesmo, é apenas uma testemunha dos acontecimentos políticos e culturais desde um Brasil ditatorial e uma Cuba revolucionária dos anos 60 até os dias de hoje.

A primeira vez que o autor foi a Cuba foi no ano de 1992, quando a ilha caribenha vivia o chamado Período Especial, enfrentando dificuldades econômicas devido à dissolução da União Soviética, com quem tinha acordos e apoios. De lá pra cá sempre existiu a vontade de escrever sobre, mas só agora veio a calhar, contando com apoio de diversos amigos que contribuíram na pré-venda que pode viabilizar a impressão do livro e também sua ida a Cuba para lançá-lo no dia 12 de fevereiro na Fortaleza de San Carlos de la Cabaña, em Havana.

“O momento político do Brasil me inspirou mais a escrever, para fazer uma defesa da Revolução Cubana e mostrar outro mundo, mostrar que não é isso que a sociedade está dizendo”, relata o autor.

“Cuba está no epicentro dessa espécie de terremoto que trago em mim”, diz Wilson Coelho em Nosotros. Mais de 60 anos depois da Revolução Cubana, o terremoto político da pequena ilha do Caribe continua movendo mentes e corações pelo mundo.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Burarama, a queridinha do cinema capixaba

Com casas históricas e belas paisagens, distrito de Cachoeiro virou cenário de filmes e sede de festival

Fabio Pinel mostra seu dom de cantar

Sambista da nova geração do Espírito Santo lança seu primeiro álbum de obras autorais

Poetisa popular ganha homenagem nos muros da Serra

Na coluna: hinos do carnaval, novo ateliê no Centro, livros censurados em exposição, Carnaval de Congo

Reciclafolia já aproveitou mais de 50 toneladas de fantasias no carnaval

Projeto surgiu de moradores do entorno do Sambão do Povo preocupados com descarte incorreto pós-desfiles