ES sem PH?

A Era PH pode estar indo embora, mas difícil, mesmo, é acreditar que ele vai junto

O governador Paulo Hartung vive um momento crucial em sua vida política, fora de um pleito e atingido pela fragilidade eleitoral. O que nos leva a rever um pouco dessa história.

PH é um político que não formou sua vida pública conquistando a população, como ocorre de modo geral. Ele também nunca vestiu a roupagem de messiânico e muito menos de populista, entretanto, sempre fez o gênero de quem chegou para endireitar o Espírito Santo, que tem uma economia especulativa e pobre de industrialização.

Assim, criou um verdadeiro estado novo, a partir, principalmente, de sua visão de que alianças devem de ser feitas com quem realmente tem poder: a Justiça capixaba e o Ministério Público. Consolidou esta aliança aumentando enormemente o orçamento de ambos. Fortaleceu-se. Ninguém mais aguentou com ele. Fez o que o ex-prefeito de Vitória, Luiz Paulo Vellozo Lucas, caracterizou como Estado Bonapartista. 

Também usou com maestria as quatro principais multinacionais que atuam no Estado: a Vale do Rio do Doce, a Companhia Siderúrgica do Tubarão (hoje Arcelor Mitral), a Aracruz Celulose (Fibria) e a Samarco, que, para funcionar, precisavam - como ainda precisam - de um estado de inércia ambiental frente ao seu alto potencial poluidor.

Estas empresas também contribuíram com PH ao inibirem notícias negativas sobre o governo. Fato possível a partir do poder econômico delas junto à imprensa corporativa capixaba, por serem as maiores anunciantes. 

Com todo o poder conquistado por PH, a expressão de Luiz Paulo sobre o Estado Bonapartista, citada acima, reflete um quadro real de poder nunca antes exercido no Espírito Santo.

Tanto que PH passou a definir quem era do bem e quem era do mal. Criou o projeto Unanimidade, em parceira com parte do empresariado capixaba, que visava consolidar a ideia de que o Estado precisava de PH para crescer, projeto este que no qual também entrou o ex-governador Renato Casagrande (PSB), para fazer a dobradinha eleitoral. 

Assim, com tanto poder, PH aterrorizou a classe política capixaba do jeito que bem entendeu. Entretanto, o tempo mudou e mudou bravo. PH ficou sem condições de disputar uma nova eleição. O momento é outro. Basta olhar agora para os principais candidatos destas eleições.

Casagrande tornou-se competitivo à custa dele, na caminhada para o confronto com PH na urna. A senadora Rose de Freitas (Podemos) surgiu intempestivamente e já tem com ela parte da base de PH, aliança costurada com participação do deputado federal Lelo Coimbra (MDB), fortalecida agora com a adesão do secretário da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior (PSD). Já o deputado federal Carlos Manato (PSL) é bolsonarista e expert em política como poucos no Estado. 

Com esse povo, não tem para PH. O que lhe resta é adotar a Rose, o que não é nada fácil. Não há solução que lhe convenha, diferente do que sempre aconteceu, já que seu controle era absoluto. 

A situação está tão séria que há um movimento para transformar o presidente da ONG ES em Ação, Aridelmo Teixeira, em candidato de PH, apesar de sua falta de lastro político. Vale lembrar que esta entidade intermedeia repasse de recursos para a sustentação da vida política do governador.

Todo dia há gente da comunidade hartunguete na expectativa do assombro da descida da rampa do poder, fazendo pressão para que ele assuma a candidatura de Aridelmo como seu sucessor. 

Apostar em Aridelmo é muito difícil, agora que surge um vislumbre do  momento final de PH. Mas tratando-se de um recordista de eleição, a Era PH pode, finalmente, estar indo embora. Difícil, mesmo, é acreditar que ele vai  junto.  

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Qualquer semelhança...

Com a disputa partidária nas ruas, José Esmeraldo dispara contra dirigentes ''vitalícios e bezerrões''

Longo caminho

Bem situado no governo federal e com acenos para Casagrande, Lelo ainda patina na disputa do MDB no Estado

Um ano da morte de Marielle será lembrado com poesia em Vitória

Evento no Centro terá roda de conversa sobre literatura e resistência, sarau e venda de livros

'Está chegando ao fim o modo imperial de se governar o Estado'

O cientista político Roberto Garcia Simões analisa a Era Paulo Hartung no Espírito Santo