‘Está claro que querem desviar o foco da CPI dos TCAs e LO da Vale’

Sergio Majeski (PSB) critica, entre outras posturas, inclusão de pautas não relacionadas ao foco da CPI

Criada para investigar possíveis irregularidades presentes nos Termos de Compromisso Ambiental (TCAs) assinados entre o Governo estadual e as poluidoras Vale e ArcelorMittal e na renovação da Licença de Operação da Vale em 2018, a CPI dos TCAs e LO, que fará sua primeira reunião na próxima terça-feira (9) incluiu duas pautas sem absolutamente nenhuma relação com o foco único dos trabalhos.

Além dos TCAs nº 035/2018 e 036/2018 e da LO 123/2018, os dez deputados também irão investigar “a forma como o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) libera projetos a serem executados e também investigar irregularidades na emissão dos chamados Documentos de Origem Florestal (DOF) e a possível inexistência de regular fiscalização do órgão responsável por isso, o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf”), segundo define correspondência oficial da Assembleia Legislativa.

A inclusão dos dois temas foi repudiada por Majeski, mas foi aprovada pelos colegas em Plenário e, por não haver nenhum impedimento legal para que assuntos à revelia do foco principal sejam incluídos numa CPI, a estranha “salada” foi oficializada. “Fica claro que se quer desviar do foco, que é único”, declara Majeski.

O pessebista é vice-presidente da CPI, o que é outro fato estranho, pois a tradição, na Casa é de dedicar a presidência ao deputado que primeiro assina o requerimento de criação da CPI, cargo que está nas mãos de Marcelo Santos (PDT), o mesmo que, na CPI do Pó Preto, há quatro anos, se declarou sem isenção para compor a Comissão, devido suas relações estreitas com as empresas investigadas. O que mudou nesse período? Ninguém sabe.

Na semana que antecede a primeira reunião, Majeski diz que, num primeiro momento, os deputados convidaram os representantes da Vale, da ArcelorMittal e da Cetesb – Romildo Fracalossi, especialista técnico de Meio Ambiente da Vale; João Bosco Reis da Silva, gerente-geral de Sustentabilidade e Relações Institucionais da ArcelorMittal Tubarão; e Patrícia Faga Iglecias Lemos, diretora-presidente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), respectivamente – e convocaram os representantes dos órgãos públicos Iema e Idaf. Alegando incoerência, o convite foi feito igualmente a todos. “Estou muito receoso de que podem ocorrer manobras pra tirar o foco e a gente não conseguir fazer o trabalho que tem objetivo de fazer”, alerta Majeski.

O presidente da ONG Juntos SOS ES Ambiental, Eraylton Moreschi Junior, entidade da sociedade civil que mais atuou pela criação da CPI, aponta outros “fatos estranhos” que envolvem a Comissão Parlamentar de Investigação.

No comunicado da Ales sobre a reunião da próxima terça, é informado que “não há correspondências” relativas ao tema a ser investigado, o que é mentira, denuncia. “No dia 20 de março a Juntos encaminhou requerimentos e documentação farta, com links para baixar documentos e também um DVD. Enviamos para todos os deputados, mais as comissões de saúde e meio ambiente e comissão que cuida das CPIs”, conta. “É lastimável”, reclama.

As incoerências, avalia o ambientalista, compõem uma forma de trabalhar do governador Renato Casagrande (PSB), que, até o momento, “nada definiu sobre o tratamento que dará à poluição do ar na região metropolitana da Grande Vitória”, acusa, citando a nomeação de Alaimar Fiuza como diretor-presidente do Iema, depois de atuar por mais de 30 anos na mineradora Vale. “Ele [Casagrande] acha que é normal de um dia pra outro a pessoa trocar de camisa e deixar de ser Vale. Só ele acreditou nisso, porque a população inteira não”, ironiza.

O presidente da Juntos SOS lembra ainda que, no dia de coleta de assinaturas para a CPI, o Governo estadual tentou barrar a criação, dizendo que a empresa estava em situação muito crítica com o crime de Brumadinho/MG. Mesmo assim, 26 deputados assinaram a CPI e ela foi criada.

Em seguida, prossegue, “começaram as outras movimentações”, diz, referindo-se à posição coadjuvante de Majeski e a ausência de membros efetivos da Comissão de Meio Ambiente da Ales na CPI.

“Não vemos nada de positivo ao final dessa CPI em prol da sociedade e do cidadão capixaba no sentido de se desvendar porque os TCAs são assinados sem métricas e sem metas e porque a LO da Vale é renovada sem cumprimento de condicionantes de outras licenças, há onze anos”, argumenta.

Em acordo com a avaliação da entidade, Majeski afirma que estará muito atento a tudo isso. “Lutarei de todas as formas pra manter o foco e pra que essas manobras não impeçam que os objetivos sejam atingidos”.

 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Marcelo Santos pede transposição da CPI das Licenças para 2020

Comissão já não se reúne há onze semanas. ONG denuncia funcionamento da Vale sem licença por seis anos

Procurador arquiva inquérito sobre poluição da Vale nas areias de Vitória

Desconsiderando laudos da Semmam e Ufes, André Pimentel alega não haver provas contra a mineradora

TCA do Passivo Ambiental da Vale é ilegal, reitera entidade

Acordo foi assinado sem a participação da sociedade civil e compromissos firmados não foram cumpridos

‘Engorda’ da Curva da Jurema deve ser analisada pelo Comdema, pede vereador

Roberto Martins requereu à Semmam que a obra, de R$ 14 milhões, só seja feita após aprovação do Comdema