Ex-vereador condenado por matar o cunhado terá recurso julgado pelo TJES

José Jardel Astolpho será julgado em segunda instância no dia 28 pela Primeira Câmara

O ex-vereador de Mimoso do Sul, José Jardel Astolpho, acusado pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) e condenado pela Justiça em primeira instância por ser o mandante do assassinato do próprio cunhado, Sebastião Carlos de Oliveira Filho, crime ocorrido em julho de 2008, vai ter recurso julgado pela 1°Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) no próximo dia 28. 

No dia 10 de maio de 2018, dez anos após o crime, o ex-vereador foi condenado pelo Júri Popular por unanimidade. José Jardel foi condenado a 18 anos e seis meses julgado pelo crime de homicídio duplamente qualificado: motivo torpe e sem chance de defesa por parte da vítima. O ex-vereador permanece em liberdade até o julgamentos dos recursos de sua defesa, que têm como objetivo obter um novo julgamento. 

Sebastião foi morto no interior de seu veículo, quando saía de sua residência, no centro de Mimoso do Sul. O crime foi supostamente motivado por uma dívida de R$ 260 mil envolvendo a prefeitura da cidade e um posto de gasolina em que dos dois eram sócios. Depois de desfazer a sociedade e abrir uma marmoraria, a vítima estaria fazendo constantes cobranças ao então vereador, que já teria recebido o pagamento e não havia repassado a parte ao cunhado.

Durante as investigações, os executores do crime que foram condenados e estão presos, Jocimar Marques e Marcos Henrique Muniz Coutinho, confessaram que o mandante teria sido o ex-vereador. 

Em novembro de 2017, a Justiça deferiu pedido do Ministério Público e transferiu o júri do vereador para Vila Velha. Para o órgão ministerial, a transferência foi necessária devido às denúncias de ameaças que teriam sido praticadas pelo vereador contra testemunhas e jurados. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Servidores da Sejus são presos por beneficiar detentos mediante pagamento 

Esquema foi identificado no Centro de Detenção provisória da Serra e estendido para Colatina

MPES pede prorrogação do afastamento da prefeita Amanda Quinta

Prefeita é acusada de manter, quando presa, sua rede de contatos da máquina de Presidente Kennedy

TJES garante aluguel social para moradores expulsos pelo tráfico na Piedade

Instituto Raízes e lideranças locais, defendidos pela Defensoria Pública, conseguiram a vitória judicial

Defesa utiliza decisão que beneficiou Flávio Bolsonaro para libertar Gratz

Provas obtidas de forma ilícita são consideradas precedentes para paralisar ação do caso Lineart