Exposição fotográfica registra população de rua na paisagem da cidade

Emparede Contemporânea expõe imagens de Rogério Caldeira feitas no Rio de Janeiro e Grande Vitória

Fotos: Rogério Caldeira

Tudo começou numa vista à Casa França Brasil, no Rio de Janeiro. No início do ano, enquanto conhecia a exposição Literatura Exposta e contemplava a obra A vós do ralo é a voz de Deus, Rogério Caldeira se deparou com uma cena dura, porém cada vez menos incomum. Uma pessoa em situação de rua deitada no chão à beira de uma das entradas do local. Parecia estar presa atrás das grades, mas na verdade se encontrava no lado de fora do edifício. Dali mesmo tirou uma foto registrando a imagem, que hoje estampa o muro de entrada do centro cultural Emparede Contemporânea, em Santo Antônio, Vitória. Dentro do local, mais 12 fotos de Rogério, todas em preto e branco e feitas na Grande Vitória, compõem a exposição Qualquer Verdade.

São registros da urbe, em seu cotidiano, com foco nas pessoas da rua, transeuntes, passantes, ciclistas, banhistas de maré. O destaque para a população em situação de rua vem do observar do fotógrafo e também da convivência com eles, principalmente através de oficinas oferecidas no centro cultural. “O morador de rua é sempre muito criticado, detonado, como se não tivesse direito às cidades, como não pertencessem a elas”, questiona Rogério. “Uns consideram que são vítimas do sistema, que precisam de amparo social, outros acham que são um estorvo, que incomoda a rotina urbana”, pontua.

Ele busca esse registro da cidade, em movimento, em trânsito, pertencente a todos, independente de onde ou como moram ou de quanto pagam de imposto.

Para o fotógrafo, a convivência e diálogo com a população em situação de rua, assim como a proposta que busca trazer por meio da fotografia, permitem entender as dificuldades e respeitar mais as pessoas nessa situação. “É fantástico o quão é importante a vida deles, como é difícil, louca e disciplinada a vida de quem mora na rua em relação à dinâmica da cidade”. 

A exposição em que se deparou com a cena que fotografou no Rio de Janeiro causou polêmica após ser fechada a mando do governador Wilson Witzel (PSC) no dia em que ocorreria uma performance que incluía nudez, previamente avisada no local, mas censurada pelo governo. Alguns não puderam ver a exposição, mas as cenas dela e de fora dela ficaram na mente e na lente de Rogério Caldeira. “Apresento o que senti naquele momento: uma provocação sobre as cidades, as ruas, seus moradores, seus habitantes, sua estética. Busco a reflexão sobre os moradores de rua, os passantes os ocupantes e todos que compõem este mosaico urbano”.

A exposição fica até o dia 29 de agosto no Emparede Contemporânea, sendo necessário agendamento prévio para a visita.

AGENDA CULTURAL

Exposição fotográfica Qualquer Verdade, de Rogério Caldeira

Quando: até 29 de agosto de 2019

Onde: Emparede Contemporânea – Rua Albuquerque Tovar, 41, Santo Antônio – Vitória/ES

Agendamento de visitas: (27) 99983-3068.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Poetisa popular ganha homenagem nos muros da Serra

Na coluna: hinos do carnaval, novo ateliê no Centro, livros censurados em exposição, Carnaval de Congo

Reciclafolia já aproveitou mais de 50 toneladas de fantasias no carnaval

Projeto surgiu de moradores do entorno do Sambão do Povo preocupados com descarte incorreto pós-desfiles

Boa Vista é bicampeã do Carnaval de Vitória em 2020

Com enredo sobre a música capixaba, escola de samba de Cariacica chegou ao sexto título em sua história

Fotografando o nascer

Thai Amorim encontrou no registro de partos uma forma de expressar um olhar sensível na fotografia