Fórum de Carreiras Típicas volta a pedir transparência das renúncias fiscais

A solicitação foi encaminhada pelo Focates ao secretário estadual Edmar Camata

O Fórum das Carreiras Típicas do Espírito Santo (Focates) voltou a solicitar ao governo mais visibilidade à política de renúncia fiscal praticada na gestão pública. Ofício encaminhado ao secretário de Estado de Controle e Transparência, Edmar Camata, divulgado nesta segunda-feira (17), lembra que esse “é um antigo pleito”. O documento é assinado pelo presidente da entidade, Marcos Antônio Santos Filho. 

Desde sua criação, com a finalidade de conferir transparência dos diversos incentivos e isenções fiscais concedidos pelo governo a empresas instaladas no Estado, o Focates vem requerendo informações sobre o montante dos benefícios e o cumprimento dos pré-requisitos para a concessão, por entender serem recursos públicos dos quais a sociedade tem o direito de conhecer, controlar e fiscalizar, objetivando evitar desvios e a ocorrência de corrupção.

O Focates ressalta que a sugestão “visa atender ao histórico anseio da sociedade capixaba por um Estado Democrático de Direito” e relembra a reunião realizada no dia 31 de maio de 2019, quando foi solicitado ao secretário “a ampliação das ações de transparência dos benefícios fiscais concedidos pelo Estado”.

A sugestão é que se constitua um “grupo de trabalho voltado à construção de uma metodologia de controle das políticas de renúncia fiscal do governo". O ofício destaca que “neste grupo de trabalho possam participar servidores de carreira integrantes do fórum, tais como auditores do Estado, consultores e auditores de controle externo".

Na gestão passada, o fórum requereu ao governo essas informações, com base na lei de acesso à informação, sendo ignorado, o que o fez representar secretários de Estado junto aos órgãos de controle estadual dos três poderes, inclusive à Secretaria de Controle e Transparência Estadual, cujo retorno sobre a representação, até a presente data, não foi feito.

Em 2015, o Focates criticou duramente a retirada do artigo 145 da Constituição Estadual, que previa a divulgação de dados sobre os incentivos fiscais concedidos, cujo pedido de reintegração ao texto constitucional foi feito pelos deputados estaduais Sergio Majeski (PSB) e Lorenzo Pazolini (sem partido). 

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de autoria dos deputados, que tornava obrigatória a divulgação detalhada dos incentivos fiscais, foi arquivada na sessão da Assembleia Legislativa em outubro do ano passado, mantendo a “caixa preta” sobre os valores e empresas beneficiadas.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Abertura da 'caixa preta' dos incentivos fiscais é rejeitada na Assembleia

O Plenário da Assembleia contabilizou 18 votos, 9 x 9, levando a PEC a ser arquivada mais uma vez

Casagrande abre a caixa preta de Hartung e revela dados de incentivos fiscais

Os secretários Rogélio Pegoretti e Edmar Camata explicam como funciona a busca dos dados