Fórum vai articular ação de Conselhos Estaduais

Retomada ocorre após dois anos e diante da nova gestão de Nara Borgo na Secretaria de Direitos Humanos

O Fórum Estadual Interconselhos foi retomado, unindo os diversos conselhos estaduais, que servem como espaço para diálogo e deliberações entre sociedade civil e poder público. O primeiro encontro depois de quase dois anos de inatividade se deu no final de julho com presença de 15 membros de sete conselhos. As reuniões serão bimestrais e a próxima será em data ainda a ser definida em setembro.

O espaço permite diálogo e alinhamento entre os conselhos e suas pautas e políticas. "O objetivo é a unificação para construir ideias e fazer o uso do controle social de forma unificada, fortalecendo os conselhos junto ao governo, fazendo enfrentamento, cobrança e também apresentando propostas", declarou Fábio Veiga, atual presidente do Conselho Estadual LGBT.

A proposta de reativar o Fórum Interconselhos vem sendo levantada desde o final do ano passado por representantes da sociedade civil. Na primeira reunião estiveram presentes os conselhos dos Direitos Humanos (Cedh), de Defesa dos Direitos da Mulher do Estado (Cedimes), de Promoção da Igualdade Racial (Cepir), dos Direitos da Criança e do Adolescente (Criad), de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa (Ceddipi), LGBT e sobre Drogas (Coesad).

Fábio acredita que com o diálogo para maior unidade entre os conselhos, há melhor perspectivas para um trabalho diferenciado, que possa significar uma cobrança mais articulada e unificada, proporcionada a partir de uma organicidade a ser construída entre os representantes. A retomada acontece diante de novo governo e nova gestão na Secretaria Estadual de Direitos Humanos, além de novos conselheiros que assumiram a presidência recentemente em seus conselhos e ainda não haviam participado do Fórum.

A secretária de Estado de Direitos Humanos, Nara Borgo, aprova a iniciativa. “Esta interação entre eles será de grande importância para garantir a participação democrática de controle social e contribuirá bastante para a eficácia na construção e implementação das políticas públicas”, disse.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Estado discute extermínio de jovens com festivais, oficinas e palestras

Entidades que representam jovens negros, os que mais morrem, reivindicam políticas públicas efetivas

Evento une academia e movimentos sociais para discutir desafios para o campo

A Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (Jura) acontece nos dias 19 e 20 na Ufes

Movimento negro quer Espírito Santo como exemplo no combate ao racismo

Entidades protolocaram notícia-crime pedindo denúncia do MPF em caso de racismo contra professor da Ufes

Começam preparativos para Marcha Contra o Extermínio da Juventude Negra

Fejunes e movimentos sociais definiram o tema, local e horário do tradicional ato de 20 de novembro