Fundos ambientais do Estado podem perder R$ 47 milhões

Deputado Sergio Majeski alerta que as verbas, não utilizadas em 2018, devem ser usadas para outro fim

Cerca de R$ 47 milhões alocados no Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fundágua) e no Fundo de Defesa e Desenvolvimento do Meio ambiente (Fundema) para a implementação de ações de conservação e preservação ambiental, e não utilizadas no ano de 2018, correm o risco de serem transferidas para o cofre geral do Estado e terem outra finalidade.

O alerta é do deputado estadual Sergio Majeski (PSB), autor do Projeto de Lei Complementar nº 011/2019, em tramitação na Assembleia Legislativa, que visa impedir a reversão dos recursos, ao propor alteração da Lei Complementar nº 833, que permite a reversão para o Tesouro do Estado das verbas do Fundágua e do Fundema não utilizadas no ano anterior.

No ano em que a normativa entrou em vigor, em 2016, R$ 57 milhões, somente do Fundágua, foram para o caixa estadual.  “Como consequência, em plena crise hídrica, o Estado deixou de aplicar uma quantia significativa em ações, programas e projetos de conservação e recuperação dos recursos naturais. E essa é uma fatura que afeta toda a sociedade. A agropecuária acumula perdas sucessivas, as crises de abastecimentos são recorrentes e a população e o meio ambiente são penalizados”, destaca o deputado Majeski.

Segundo o parlamentar, nos anos de 2017 e 2018 não houve registros de remanejamento de recursos do Fundágua e do Fundema, mas agora em 2019 há movimentação na Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) para retirada de valores, de acordo com comunicação da Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo (Sefaz), que superam R$ 45 milhões e R$ 2,4 milhões, respectivamente, de cada fundo.

Os fundos ambientais são geridos pela Seama e pelo Banco de Desenvolvimento do Estado (Bandes) e financiam, entre outras ações, o Programa Reflorestar, o que pode ajudar a explicar os tímidos resultados obtidos até o momento pelo propalado programa.

A meta de 80 mil hectares do programa, lançado em 2011, é equivalente à meta da Aracruz Celulose (Fibria/Suzano) para a expansão de sua devastadora monocultura de eucaliptais.

Considerando as seguidas emissões simplificadas de Licenças Prévia e de Instalação dos empreendimentos industriais da multinacional pelo Estado, a empresa está galgando com ritmo os degraus para atingir suas metas. Já o Reflorestar, a considerar a queixa dos camponeses do norte e noroeste capixaba, onde o reflorestamento se faz urgente para salvar a agricultura familiar, está ainda longe de alcançar a velocidade do monocultivo.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Conselho estadual apoia manutenção de recursos em fundos ambientais

Moção assinada pelo presidente do CERH, Fabrício Machado, foi encaminhada ao Tribunal de Contas

Tribunal de Contas concede cautelar para manter recursos em fundos ambientais

Decisão do relator Rodrigo Coelho evita que R$ 47,4 milhões sejam revertidos para o caixa geral do Estado

Majeski aciona o TCE para garantir R$ 104 milhões à gestão ambiental do Estado

Representação quer impedir reversão de recursos de fundos ambientais para o Tesouro estadual

Ales aprova indicação para Casagrande manter R$ 47 milhões em fundos ambientais

''Na próxima catástrofe climática irão colocar a culpa em São Pedro”, alerta Majeski, autor da indicação