Ganha-ganha

Discurso de Erick de independência do executivo/Casagrande, na teoria soa uma maravilha. Na prática...

Primeiro a convocação atropelada de sessões extras para limpar a pauta de projetos prioritários. Depois, nesta quarta-feira (20), a aprovação e andamento de alguns deles de acordo com os interesses do governo (alíquota de 14% da Previdência estadual e mudanças na educação de tempo integral) e sem qualquer dor de cabeça – no máximo algumas críticas isoladas. Ao mesmo tempo, o devido encaminhamento da proposta estratégica, aí já para o presidente da Assembleia Erick Musso (Republicanos), que garante a antecipação das eleições da Mesa Diretora para o próximo ano, antes da disputa municipal de 2020. Feito tudo isso, e com um cenário tão favorável quanto para liquidar as pendências na próxima semana, Erick reservou um tempo especial para um pronunciamento na última sessão do dia. Citou de uma só vez os pensadores Montesquieu, Aristóteles, Platão e Maquiavel, além da Constituição, para enfatizar “a harmonia e independência” entre os poderes legislativo, Executivo e Judiciário, seguido de frases como “esta Casa não adula governantes, aponta caminhos”; “não é mais um cartório carimbador de projetos, tem vida própria”; e “não tentem nos desaglutinar ['time’ Assembleia]”. No discurso, como se vê, qualquer palavra cabe. Na prática, até muda uma forma ou outra de jogar, mas o resultado sempre acaba do mesmo jeito: ganha-ganha.

Ganha-ganha II
Erick e Casagrande já haviam tratado dos assuntos em conversa na última semana, mas as sinalizações de bastidores indicaram ruídos. O próprio governador se colocou, inclusive, publicamente contra a PEC da Eleição da Mesa. Erick não recuou, pelo contrário, o que até deu margem para alguma dúvida em relação à votação dos projetos do executivo. Mas, que nada! Passados alguns dias, com outra conversa no meio, “tudo dominado”.

Ganha-ganha III
Aliás, não precisa voltar muito no tempo para lembrar de como as coisas funcionam entre os poderes. Na véspera do recesso anterior, além das matérias do governo, foram aprovadas a toque de caixa as mudanças internas do Ministério Público (MPES), incluindo a criação de 307 cargos comissionados e, por outro lado, o projeto que afrouxou a fiscalização dos “servidores fantasmas” da Assembleia, até então, na mira do MPES.

Pressa
O deputado Sergio Majeski (PSB), na época, ficou falando sozinho sobre os atropelos e aprovações de projetos tão relevantes sem debates. O que voltou a se repetir nessa terça-feira (19), quando Erick anunciou a convocação das sessões extras. O recesso só começa no dia 19 de dezembro e as pautas das sessões não têm ficado cheias. 

Pacotão
No “bem bolado” entre Assembleia e o governo, foi aprovado também o regime de urgência do projeto que trata do aumento da alíquota de contribuições de 11 para 14%, ignorando os apelos das entidades dos servidores. Já a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que aumenta a idade mínima, foi encaminhada em discussão especial junto com a PEC de Erick, para as devidas comissões. As aprovações, tudo indica, não passam da semana que vem.

Pacotão II
Outro projeto polêmico aprovado na Assembleia neste dia cheio de sessões foi o que acaba com o pagamento de gratificações aos mil professores que atuam nas Escolas Vivas. Presidente da Comissão de Educação e crítico ao governo, Vandinho Leite (PSDB) gravou vídeo depois nas redes sociais. “Esse o governo do diálogo, só que não”, disparou.

Pacotão III
Vandinho alega que tentou acordo com os deputados da base, para evitar a retirada ou pelo menos ter um período de transição, mas não obteve êxito. “O governo deu um péssimo presente de natal para os professores”, emendou, apontando a aprovação como “um duro golpe”.

20x0
Também nas redes, Vandinho comemora a aprovação na noite desta quarta-feira, na Câmara da Serra, por unanimidade, daquele projeto citado aqui que isenta da taxa de iluminação pública mais de 50 mil famílias carentes que possuem a tarifa social no município e, para o restante da população, concede desconto de 10%. A proposta é fruto de acordo entre o deputado e o prefeito Audifax Barcelos (Rede) e, sem dúvida, rende bônus eleitoral.

Confete
Ainda na Serra, o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) postou foto sorridente ao lado de Casagrande, em visita dele na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. “Não é todo dia que temos a honra estar ao lado do nosso governador”, exaltou. 

Atores
Os dois aparecem nas articulações de aliança para 2020 no município, quando Vidigal tentará novamente voltar à prefeitura. Na área, também, o prefeito Audifax, que precisa fazer um sucessor, e o próprio Vandinho, que há meses se coloca na disputa.

PENSAMENTO:
“Na política, a verdade deve esperar o momento em que todos precisem dela”. Bjornstjerne Bjornson

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Bloco de Erick Musso na Assembleia Legislativa sofre abalos e se desfaz

O deputado Marcelos Santos pulou fora do barco de Erick Musso pela segunda vez

Juiz federal nega recurso de Erick Musso e proíbe nova eleição na Assembleia

A decisão é a segunda derrota judicial do presidente da Assembleia na crise instalada após manobra da PEC

Justiça anula PEC da eleição de Erick e proíbe realização de novo pleito

O desembargador do TJES, Robson Luiz Albanez, decidiu que a eleição feriu o Regimento Interno

Curso para formar sargentos da Polícia Militar terá 359 vagas

Com aprovação de emenda ao projeto do Executivo, ampliou o número de vagas, antes limitado a 240