Gestores da Vale e do Iema serão convocados pela CPI das Licenças

Deputados também decidiram oficiar a Vale sobre a origem da água utilizada no canhão de névoa

Os deputados presentes na reunião desta segunda-feira (10) da CPI das Licenças decidiram pela convocação de representantes do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e da Vale para a próxima segunda-feira (17).

A iniciativa foi do vice-presidente do colegiado, deputado Sergio Majeski (PSB), que propôs a convocação do gerente geral de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Vale, Rogério Furlan; do técnico do Iema, Takahiko Hashimoto, e do ex-diretor-presidente do Iema, Sérgio Fantini.

Os convocados devem prestar esclarecimentos sobre o processo e os objetivos dos termos de compromisso ambientais (TCAs) assinados com as empresas ArcelorMittal e Vale. Eles devem comparecer na próxima reunião do grupo, agendada para o dia 17 de junho.

Durante a reunião, os deputados também decidiram enviar um ofício à Vale solicitando informações sobre o canhão de névoa inaugurado pela empresa para diminuir a emissão de pó preto na Grande Vitória. Os deputados querem saber qual a fonte de água utilizada no equipamento que lança vapor de água na atmosfera para diminuir as partículas de poeira.

O deputado Majeski é autor da Lei nº 10.487, em vigor desde 2016, que estimula e utilização de água de reuso, proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs), para processos de mineradoras, siderúrgicas e demais indústrias e empresas instaladas no Espírito Santo, que não necessitam de utilizar água potável nos processos produtivos. O objetivo é diminuir a concorrência pela água limpa, essencial para a população e agropecuária.

Incoerências

A CPI foi criada no dia 25 de fevereiro e tem como presidente o líder do “blocão” da Casa em apoio ao Executivo, deputado Marcelo Santos (PDT), e a relatoria de Euclério Sampaio (DC), também alinhado ao governo Renato Casagrande. Sergio Majeski (PSB), que assinou o requerimento de criação da investigação, foi destinado para a vice-presidência, e os demais membros efetivos são o líder do Governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), e Alexandre Xambinho (Rede). Já os suplentes são Rafael Favatto (Patri), Hudson Leal (PRB), Adilson Espindula (PTB), Carlos Von (Avante) e Dary Pagung (de saída do PRP).

Além do acréscimo de dois temas alheios ao foco original da investigação, e consequente mudança de nome, a CPI apresenta outras sérias incoerências na sua composição: nenhum dos titulares faz parte da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia; o não encaminhamento de Majeski para a presidência da investigação, já que foi ele quem encabeçou o requerimento de criação da CPI; e a presidência nas mãos de Marcelo Santos, visto que, em 2015, o mesmo se declarou sem isenção para participar da investigação, pois havia sido financiado pela Vale e Arcelor.

 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Deputados aprovam quebra de sigilo bancário e telefônico da Renova e diretores

Presidente da Fundação, Roberto Waack foi interrogado pelas CPIs das Licenças e da Sonegação

Casagrande recebe indicação para regulamentar licenças ambientais de longo prazo

Sergio Majeski resgatou proposta de regulamentação da sociedade civil para licenças maiores que seis anos

Vale só pagou R$ 2 milhões em multas ambientais ao município de Vitória

Pagamento se refere à gestão do ex-prefeito Luiz Paulo. Nenhuma emitida por Luciano Rezende ainda foi paga

ONG requer que Ministério Público determine recall de fontes poluidoras

Inventário produzido pelo Iema foi lançado há um mês, mas com dados já defasados sobre a Vale