Governador sanciona leis que criam fundos com recursos do petróleo

Fundos Soberano e da Infraestrutura irão garantir investimentos em empresas e obras nos próximos anos

Uma semana após a aprovação do projeto na Assembleia Legislativa, o governador Renato Casagrande sancionou, em solenidade realizada nesta segunda-feira (17), no Palácio Anchieta, as leis que criam o Fundo Soberano do Estado do Espírito Santo (Funses) e o Fundo de Obras e Infraestrutura Estratégica para o Desenvolvimento do Estado, com recursos oriundos do acordo que unificou os campos de exploração do Parque das Baleias, criando o Novo Parque de Jubarte, que aumentará o repasse de Participação Especial ao Estado.

O Funses, que se associará a empreendimentos estratégicos no Estado, será gerido pelo Conselho Gestor do Fundo Soberano do Estado do Espírito Santo (Cogef) e deve receber entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões por ano. Segundo o governador, o Fundo Soberano será uma forma de guardar as receitas para o futuro, para que o Estado não fique dependente da exploração do petróleo.

“O Fundo Soberano será aplicado em empresas que vão gerar empregos aos capixabas. Se o Brasil entrar em crise podemos usar uma parte do Fundo, mas a ideia é utilizar em atividades produtivas. Queremos sair da dependência do petróleo e do gás, pois essa é uma riqueza finita. Vamos nos associar, através do Fundo, a empresas privadas e fazer com que essas empresas sejam distribuídas regionalmente pelo Estado. O Fundo será sócio de empresas que queiram se instalar no Estado e estiverem abertas a sociedade. Se for necessário utilizar parte do Fundo para atrair empresas, vamos fazê-lo, pois atrai oportunidades de emprego aos capixabas ”, apontou Casagrande.

Uma parte do Fundo Soberano será reservado em uma poupança. De 2019 a 2022, 40% será depositado na poupança; de 2023 a 2026, 30%, e a partir de 2027 serão 20%, deixando o restante livre para se associar a empreendimentos.

Já o Fundo de Infraesturuta, aponta Casagrande, servirá para reduzir o gargalo logístico do Estado. O acordo de unificação dos campos – firmado entre a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a Petrobras – rendeu ao Estado cerca de R$ 1,5 bilhão em valores retroativos. O governador afirma que os recursos são utilizados em obras estratégicas.

“Vamos começar a partir do próximo mês algumas obras utilizando o Fundo de Infraestrutura, como pavimentação de ruas, de asfalto, escolas, obras estruturantes para uma região, pois é um recurso de capital, não entra no custeio do Estado e só pode ser utilizado em obras de infraestrutura”, completou o governador.

Os projetos do executivo foram aprovados na última segunda-feira (17), em votação em regime de urgência. A articulação palaciana conseguiu romper as barreiras em plenário e derrubar as emendas previstas. As matérias foram aprovadas pelos 27 deputados e uma abstenção - de 30 ao todo - presentes à sessão. Manifestaram-se contrários ao regime de urgência os deputados Sergio Majeski (PSB), Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido), Capitão Assumção (PSL), Vandinho Leite (PSDB) e Torino Marques (PSL).

Os fundos serão controlados por uma coordenação formada pelos secretários Tyago Hofmann, de Governo, Álvaro Duboc, de Planejamento, Rogélio Pegoretti, Fazenda, e Heber Resende, de Desenvolvimento, mais os representantes do Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) e do Banco de Desenvolvimento (Bandes).

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Indústria porto-petroleira ignora comunidades que vivem nas áreas cobiçadas

Estudo compara comunidades citadas nos licenciamentos com as que existem de fato nos territórios

Reajuste para servidores e alto escalão do governo tem urgência aprovada na Ales

Majeski lembrou que salários do governador, do vice e secretariado aumentaram 18% recentemente

Promessa de auxílio do governo federal é enganação, diz pescador

Liderança do Estado, Nego da Pesca acredita que capixabas não receberão apoio por impactos do óleo

Portos colocam litoral sul na mira da falácia do desenvolvimento pelo petróleo

Em Itaipava, plataformas marítimas já lançam pescadores artesanais a milhas de distância para sobreviverem