Governo do Estado não investiu mínimo constitucional de 25% da Educação em 2019

O primeiro ano da atual gestão de Casagrande desviou R$783 milhões. Desde 2011, acúmulo é de R$ 5 bilhões

O governo do Estado continua sem investir o mínimo constitucional de 25% do orçamento em Educação. A análise é do deputado estadual Sergio Majeski (PSB), com base no Demonstrativo das Receitas e Despesas, publicado no Diário Oficial pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) na última quinta-feira (30). 



Em 2019, o percentual de aplicação em Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), sobre a receita líquida de impostos, descontando os pagamentos feitos a professores e outros servidores inativas da Secretaria de Estado da Educação (Sedu), foi de apenas 20,9%. O Estado gastou R$ 5 bilhões com esses inativos e, para superar o percentual mínimo exigido, computou como investimentos na Educação.

A inclusão desses pagamentos, evidencia Majeski, tem sido computada irregularmente como aplicação em MDE desde 2011. No último ano, a quantia paga foi de R$ 783,1 milhões, elevando artificialmente o investimento em MDE para 27,8%.

“Essa mesma manobra é realizada desde 2011 e os pagamentos de inativos computados como investimentos obrigatórios na Educação superam R$ 5,2 bilhões. Por isso, todos os anos, sempre votei contra a aprovação do orçamento do Executivo. O Estado precisa cumprir a lei e voltar a investir os 25% na Educação”, destaca o deputado estadual Sergio Majeski (PSB).

Desde que assumiu mandato na Assembleia Legislativa, em 2015, Majeski sistematicamente cobra que o Estado cumpra a Constituição Federal. Em 2017, o parlamentar denunciou a manobra à Procuradoria Geral da República, em Brasília. Acatada pelo então procurador-geral Rodrigo Janot, a denúncia resultou na Ação Direta de Inconstitucionalidade 5691, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). A relatora é a ministra Rosa Weber.

O processo apura denúncia de que o Estado teria incluído o pagamento de aposentados e pensionistas como investimento para Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), no período de 2011 a 2018, deixando de aplicar no setor R$ 4,4 bilhões. 

Situação similar fez o Governo de Goiás. Entretanto, em 2018, o ministro do STF Ricardo Lewandowski julgou irregular a prática de contabilizar o pagamento de inativos como investimentos em MDE e o Tribunal de Contas do Estado (TCE-GO) recomendou a reprovação das contas do governador naquele ano.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

TJES adia julgamento de ação que aumenta piso salarial de professor em Vitória

O vereador Roberto Martins, autor do projeto, defendeu mais tempo para análise dos desembargadores

Vereadores investigam denúncia de improbidade contra prefeito de Alegre

Zé Guilherme tem contratado professores da rede pública de forma irregular, segundo a denúncia

Estudantes capixabas recebem ajuda financeira para material escolar

Emenda de Sergio Majeski, aprovada no PPA 2020-2023, destina R$ 10 milhões para alunos de ensino superior

Assembleia aprova Orçamento de 2020 com quatro votos contrários

Sergio Majeski lembrou que desde 2009 o governo não cumpre os investimentos mínimos na educação