Governo tem até quarta-feira para aprovar regras de transição da Previdência

O governador Renato Casagrande deve seguir as mesmas regras adotadas pelo governo federal

As regras de transição para a aposentadoria de 50,4 mil servidores segundo a reforma da Previdência aprovada em 25 de novembro na Assembleia Legislativa chegam nesta segunda-feira (16) para serem votadas até a próxima quarta-feira, quando se encerra o ano legislativo. 

Objeto de protestos e críticas de trabalhadores e parlamentares, os projetos de lei tratam da transição de servidores na ativa e da aposentadoria de policiais civis, agentes penitenciários e socioeducativos e pessoas com deficiência. 

A apreciação das matérias pelos deputados estaduais ocorre no momento em que o Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) e o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa (Sindilegis) se movimentaram para anular a reforma. 

As entidades alegam que a Emenda Constitucional (EC) 114, que instituiu a nova Previdência, tramitou nas mesmas condições da EC 113, que possibilitou a reeleição antecipada do presidente da Assembleia, Erick Musso (Republicanos), e foi suspensa por decisão liminar do desembargador do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), Robson Luiz Albanez, e também da Justiça Federal, na ação civil pública movida pela seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES).

As regras de transição que serão enviadas à Assembleia pelo governador Renato Casagrande (PSB) devem seguir a reforma do governo Bolsonaro aprovada no Congresso Nacional, embora a gestão estadual não tenha divulgado o detalhamento dos  projetos. 

Sendo assim, a transição será por idade e tempo de contribuição, considerando 86 para mulher e 96 para homens, com o máximo de 100 pontos para mulher e 105, homens. A idade mínima para aposentadoria deverá ser de 56 para mulheres e 61 para homens, com pedágio de 100% para ambos. Exemplo: um servidor que conte três anos para se aposentar, deverá continuar trabalhando pelo mesmo período para ter direito ao benefício. 

A votação da reforma foi marcada por ânimos acirrados e debates entre deputados na Assembleia. Foi aprovada em tempo recorde, por 19 votos favoráveis e nove contrários, com apenas seis dias de tramitação, elevando a alíquota mensal de contribuição dos servidores de 11 para 14%. O projeto alterou a idade mínima de aposentadoria das mulheres de 55 para 62 anos e dos homens de 60 para 65 anos. Professores que atuem na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio terão redução de cinco anos para se aposentarem.

A matéria adicionou a aposentadoria compulsória aos 75 anos na forma de lei complementar federal. No texto em vigência há a compulsória aos 70 anos, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. Quem tiver condições de se aposentar, mas optar por permanecer em serviço, fará jus a um abono de permanência no valor da contribuição previdenciária até completar a idade da compulsória.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Casagrande mantém posição e defende debate sobre preços dos combustíveis

O governador Renato Casagrande participou nesta terça do 8º Fórum dos Governadores, em Brasília

Comissão de Segurança recebe Frente Unificada de Valorização Salarial

Reunião desta segunda-feira debaterá na Ales pleito feito a Casagrande de reposição salarial de 45%

Após mutirão carcerário, Estado tem redução da população carcerária

Pela primeira vez em cinco anos, houve redução de 563 internos no sistema prisional capixaba

Deputados aprovam três projetos do governo para enfrentar tragédia das chuvas 

A sessão de aprovação dos projetos interrompeu o recesso parlamentar dos deputados estaduais