Guardiãs e guardiões da natureza do Espírito Santo são homenageados

Os jornalistas Rogério Medeiros e Vítor Taveira estão entre os premiados pela Campanha Nem Um Poço a Mais

Fotos: Luara Monteiro

A construção de uma sociedade pós-petroleira exige esforços diversos e, no momento político atual, de criminalização dos movimentos sociais, ambientalistas e defensores de direitos humanos, é muito importante prestar o devido reconhecimento a quem não se deixa intimidar e faz da luta por uma sociedade melhor o seu dia a dia.

Nesse sentido, vinte e oito pessoas e duas instituições foram homenageadas pelo Prêmio Guardiãs e Guardiões da Natureza, promovido pela Campanha Nem Um Poço a Mais, na noite dessa segunda-feira (29) no Museu Capixaba do Negro (Mucane), Centro de Vitória.



Os homenageados são homens e mulheres, jovens e anciãos, que atuam de norte a sul e de leste a oeste do Espírito Santo, em defesa dos direitos das comunidades e segmentos da sociedade mais impactados pela indústria petroleira e “mais ameaçados pela petrodependência”, ressaltam os organizadores. “São defensores das águas e dos territórios livres para a vida!”, exultam.

As comunidades pesqueiras, quilombolas e indígenas e os espaços de educação popular e economia solidária são as principais áreas de atuação dessas guardiãs e guardiões. Entre eles, os jornalistas Rogério Medeiros e Vítor Taveira, respectivamente, diretor-fundador e repórter de Século Diário.

Veja a lista completa:

S. Bi (Benedito Matias Porto) - pescador sábio e ancião em Conceição da Barra, membro fundador de várias organizações representativas da pesca.

Nego da Pesca (Manuel Bueno dos Santos) - presidente da Federação Estadual de Pescadores e da Associação de Pescadores de Jacaraípe/Serra.

Simião Barbosa dos Santos - presidente da Associação de Pescadores de Povoação, comunidade de pesca artesanal na foz do Rio Doce, em Linhares.

Jamilson - pescador na região de Linhares e entorno do Rio Doce.



Gessi Cassiano
- quilombola da Comunidade de Linharinho, em Conceição da Barra, agroecologista e liderança entre mulheres e jovens, grupos de jongo e religiosidade africana.

Sapezeiro (Antônio Rodrigues de Oliveira) - liderança quilombola jovem na Retomada de Linharinho, onde desenvolve preciosos experimentos de bioconstrução e agroecologia.

Ana Paula - pescadora artesanal da comunidade do Pontal de Marataízes.

Neia (Rosinea Pereira Vieira) - liderança da pesca artesanal e presidente da Associação de Pescadoras de Porto de Santana, em Cariacica.

Lucila da Rocha Lopes - importante liderança da pesca artesanal no Sul do Espírito Santo. Pescadora e marisqueira de raiz, Lucila também é presidente da colônia de Itaipava.

Joice Lopes - defensora de várias causas e povos, a partir de Barra do Riacho/Aracruz.

Herval Nogueira Junior - também na Barra do Riacho, é veterano defensor dos direitos humanos e da natureza. Ex-diretor do Sindicato dos Portuários, fundador da Rede Alerta contra o Deserto Verde.

Ricardo Sá - cineasta, produtor, cameraman, roteirista e diretor capixaba, autor de obras como “Cruzando o Deserto Verde”, “A Retomada de Linharinho”, “Nem um poço a mais”, exibidos nos territórios e em muitos países,

Rogério Medeiros - um dos mais importantes jornalistas do Espírito Santo. Sua fotografia e singular e seus textos são fontes preciosas para compreender a devastadora chegada dos grandes projetos que destruíram a natureza e os territórios. 




Ivny e Kathiuska - duas jovens artistas, ativistas do teatro popular, dos saraus de música e poesia, da economia solidária, criadoras do Coletivo Arte e Cultura, em Itapemirim, no sul do Estado.

Luzia (Luzinete Serafim Blandino) - quilombola da Comunidade de São Domingos, em Conceição da Barra.

João Batista Guimarães - quilombola do Angelim 1, em Conceição da Barra, técnico agrícola e educador popular, tendo lecionado em assentamento do MST e atuado na equipe da FASE-ES.

Katia dos Santos Penha - quilombola da comunidade de Divino Espírito Santo, em São Mateus, fundadora da Comissão Quilombola de São Mateus, da Comissão do Sapê do Norte, da Comissão Estadual Quilombola Zacimba Gaba e dirigente da Coordenação Nacional de Quilombos (CONAQ).   

Silvia Lafaiet Pires - mulher marisqueira, caranguejeira, pescadora, cozinheira, criadora de abelhas que vive em São Miguel, em São Mateus.

Neia (Edineia Rosa Neves) - militante do MST no ES. Acampada, enfrenta reintegrações de posse da Petrobras e da Suzano e é uma importante referência da luta das mulheres sem terra contra a monocultura do eucalipto e a expansão petroleira no ES.

Gal (Galdene Santos) – tem trajetória de luta em Fóruns, Conselhos, Movimentos, Comissões e grupos de defesa de causas diversas. Hoje coordena o CDDH da Serra e articula o MNDH no ES. 

Gabriel Lavinsky e Yolanda Faustini - criadores da Oficina do Lixo. E ensinam experimentos de redução do uso, de re-uso e descarte responsáveis com a Natureza.

Curso Risoflora - uma fantástica experiência de educação popular em Maria Ortiz, Vitória. Com arte e cultura, debate as questões de raça, de gênero, sexualidade, meio ambiente.

Vitor Taveira Rocha - jornalista do rádio e da música, do vídeo e do cineclubistmo, do texto e da internet.  Fundador de Soy Loco por Ti e do Cineclube El Caracol, articulador da agroecologia no CSA do Sapê do Norte/Região Metropolitana de Vitória.

Cacique Zé Barcelos - Rio Doce, em Linhares.Luta contra a Petrobras em defesa dos direitos indígenas e da Natureza.



IAOTO
- coletivo cultural localizado em Fundão, vinculado às religiões de matriz africana, especialmente o Candomblé. Exemplo de sustentabilidade ecológica e econômica, através das suas práticas, vivências e ritos.

Rosa Maria Nascimento Miranda – junto ao grupo Kisile, trabalha pela igualdade e pelos direitos das crianças, dos jovens, das mulheres, dos negros, pelo acesso à cultura e à alimentação de qualidade para o corpo e a alma.

Emil Schubert - Sábio ancião, educador popular, pastor ativista, orador excepcional, Emil é uma referência para os movimentos sociais capixabas.

Dona Dora - mulher, negra e artesã do mar, habitante na Praia das Neves, em Presidente Kennedy, no extremo Sul do Espírito Santo. Uma referência para o artesanato, para a economia solidária e popular, para as lutas das mulheres negras capixabas.

A Campanha

A Campanha Nem Um Poço a Mais tem apoio da União Europeia, da Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA), do Fórum Suape, da organização OilWatch, do Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo e Petroquímica nas Cercanias da Baía de Guanabara, da Federação dos Órgãos para a Assistência Social e Educacional no Espírito Santo (Fase/ES), entre outras entidades e coletivos ligados a comunidades tradicionais impactadas pela indústria petroleira.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Evento internacional discute portos, qualidade de vida e territórios

Seminário gratuito em Itaoca, neste sábado, reúne palestrantes do Estado, do Brasil e do exterior

Vitória tem encontro de saberes e práticas agroecológicas neste sábado

Evento terá oficinas gratuitas sobre hortas verticais e em pequenos espaços, compostagem e autocuidado

Vitória tem encontro de saberes e práticas agroecológicas neste sábado

Evento terá oficinas gratuitas sobre hortas verticais e em pequenos espaços, compostagem e autocuidado

Símbolo da 'sociedade descartável', canudo de plástico está proibido no ES

Além de poluir rios e mares, plásticos descartáveis sustentam a degradante ''civilização petroleira''