Inspetores penitenciários fazem ronda em unidades pedindo fim das visitas

Sindicato denuncia falta de EPIs e orienta servidores a não realizarem tarefas se não se sentirem seguros

O Sindicato dos Agentes do Sistema Penitenciário do Estado do Espírito Santo (Sindaspes) percorre as unidades prisionais capixaba neste sábado (21), alertando os servidores sobre os riscos de contaminação pelo coronavírus (Covid-19). 

Os líderes sindicais irão instalar faixas nas unidades e, com apoio do corpo jurídico da entidade, irão orientar os inspetores a não realizarem procedimentos se não se sentirem seguros para tal. 

Segundo o presidente do Sindaspes, Rhuan Karllo Alves Fernandes, “o Estado não disponibilizou EPI [Equipamento de Proteção Individual] nenhum. Não tem álcool em gel, máscara, nem luva em nenhuma unidade prisional do Estado”. 

Por isso, a orientação que será dada aos inspetores é que “não realizem qualquer tarefa considerada absurda e que possa expor a risco maior ainda a sua vida e de seus familiares”.

Outra denúncia é que, apesar da afirmativa do governo do Estado de que não há suspeitas nem confirmações de contaminação por Covid-19 no sistema prisional, os servidores ligados ao sindicato alegam haver 15 detentos suspeitos de coronavírus somente na unidade de detenção provisória de Viana, relata Rhuan Karllo.

Desde o início da semana, a entidade vem pleiteando a suspensão das visitas sociais e íntimas em todo o sistema prisional capixaba, a exemplo do que foi feito em onze estados e o Distrito Federal. 

A medida cabe ao chefe do Executivo, mas o governador Renato Casagrande ainda não fez a determinação. Nessa sexta-feira (20), ele disse que há uma portaria do secretário de Estado de Justiça (Sejus), Luiz Carlos Cruz, restringindo bastante as visitas e que “o processo de restrição caminha para isso [restrição total]”. 

Enquanto a medida não acontece, o sindicato não vai fechar os portões por conta própria, com medo de revolta e aglomerações das pessoas, o que pode intensificar a contaminação, mas vai conscientizar os servidores, alertar a sociedade e pleitear que a Justiça intervenha no caso. 

“É uma irresponsabilidade, é praticamente um crime contra a saúde pública. As visitas vão entrar sábado, se infectar dentro do sistema penitenciário, e vão levar pra fora. É isso que a gente está tentando evitar, a Justiça não tem peito pra assinar e o governo não faz”, critica o presidente do Sindaspes. 

“Não suspenderam visita íntima nem visita social, está criando um monstro que a sociedade vai pagar o preço por isso. O governo suspendeu até o comércio de funcionar, e nos presídios estão autorizando a entrada de pessoas. A gente fica consternado com o que está acontecendo com relação à saúde pública da população”, indigna-se.

As frases que serão afixadas neste sábado incluem dizeres como: “O medo de uma eventual rebelião não pode ser maior que a responsabilidade com a saúde pública”. “Prestamos serviço público essencial e continuaremos a exercê-lo com excelência, mesmo em meio à crise. Mas daí a não adotarmos medidas efetivas de prevenção vai longa distância. É irresponsabilidade manter as visitas sociais e íntimas”. “Não podemos menosprezar o que o mundo está vivendo”. “Urgente! O governo precisa rever esse posicionamento, caso contrário quem pagará essa conta é você cidadão capixaba”. “O sistema penitenciário está um caos. Socorro!”

Protocolo 

O protocolo contra o coronavírus elaborado pela Sejus e validado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) traz uma série de recomendações aos servidores e familiares dos detentos.

Dentre as medidas estão a aplicação de um questionário nas unidades prisionais sobre sintomas respiratórios, febre, contato com casos confirmados ou suspeitos de infecção pelo coronavírus, e prevê o adiamento e reagendamento da visita/atendimento. 

Aos visitantes, pedem que as pessoas de grupo de risco não se exponham e, se possível, adiem sua visita para um período mais oportuno. Para as demais, as visitas devem ser agendadas de forma a evitar grande aglomeração no mesmo espaço ao mesmo tempo. E, havendo sintomas da doença, que seja informada na triagem para que a Secretaria de Justiça reagende a visita.

O protocolo reforça as medidas de higiene que devem ser seguidas pelos visitantes, detentos e servidores, como lavar as mãos adequadamente e determina a intensificação da limpeza de equipamentos e espaços comuns, mesas, mouses e teclados de computador, além de orientar os procedimentos de condução de presos suspeitos de infecção. 
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Elc Ros , sábado, 21 de março de 2020

    O Desgovernador deve estar querendo que o Coronavírus chegue até os presídios, para justificar a sua ideia inicial de soltar presos e colocar a população em mais riscos (Assaltos, assassinatos e afins). Proibiu o comércio e não proibiu visitas nos presídios, onde não existe nenhuma area que seja salubre. Infelizmente se chegar a acontecer (espero em Deus que não) ai sim vai ser um Pandemônio total em nosso estado, e infelizmente maioria dos presos serão contaminados. Irresponsabilidade do Sr. Desgovernador!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Matérias Relacionadas

Confecções de máscaras a todo vapor em grupos de voluntários do Espírito Santo

Diversas ações propõem a confecção de máscaras a serem doadas ou vendidas por valor simbólico

Programa EscoLAR ‘rasga princípio da igualdade de direitos’, repudia educadora

Cleonara Maria Schwartz diz que medida da Sedu reduz educação a ''mero cumprimento de tarefas''

Sobe para seis o número de óbitos da Covid-19 confirmados no Estado

Bancário, da Caixa, tinha 36 anos. Sindicatos exigem agências fechadas. Total de infectados é de 194

Quer ajudar quem precisa? Campanhas arrecadam alimentos e itens de higiene

Diversas ações buscam ajudar pessoas que estão sem renda em meio à pandemia do coronavírus