‘Já derrubamos todos os argumentos do governo’, diz presidente do Sindipúblicos

Categoria reivindica 5,56% de reajuste salarial e prepara assembleia no dia 30 para pressionar Casagrande

Uma grande Assembleia Geral Unificada está sendo preparada pelo Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Espírito Santo (Sindipúblicos-ES) e demais entidades congregadas à Pública-ES para o próximo dia 30 de agosto, às 10h, em frente Ed. Fábio Ruschi, no Centro de Vitória. O objetivo é pressionar o governo de Renato Casagrande (PSB) a conceder reajuste salarial de 5,56%, referente às perdas inflacionárias registradas pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) entre abril de 2018 e julho de 2019.

“A expectativa é realizar uma pressão sobre uma reivindicação justa. Já derrubados todos os argumentos do governo. Eles não sabem o que nos responder mais”, alega o presidente do Sindipúblicos-ES, Tadeu Guerzet. “No mesmo dia 30, se a assembleia aceitar, partiremos para um primeiro ato”, anuncia o presidente, referindo-se a um calendário de manifestações que a entidade prepara para manter a pressão sobre o governo em favor do pleito.

Desde que assumiu o Palácio Anchieta em janeiro, Casagrande e todo o seu time do primeiro escalão que realizou reuniões com as entidades representativas dos servidores têm se mantido irredutíveis na determinação de só avaliar a possibilidade de reajuste a partir de 2020.

Em todas as ocasiões, os trabalhadores apresentam cálculos que mostram ser possível conceder o reajuste, em vista do superávit das contas do Estado. “A única coisa que repetem é que estão observando a economia nacional. Agora que já demonstramos que estamos certos, vamos fazer essa pressão esperando ainda que o governo possa se sensibilizar e mudar de decisão”, argumenta o líder sindical.

O reajuste de 5,56% é considerado o início da reposição das perdas históricas de 26,8%, acumuladas desde 2014. Durante o governo de Paulo Hartung, ele se negou a conceder reajuste salarial aos servidores públicos, e só o fez estrategicamente em 2018, quando ainda cogitava tentar a reeleição, de apenas 5%. 

“O servidor está carregando sozinho o que os economistas chamam de ajuste fiscal. Só nós estamos perdendo em salário, acúmulo de trabalho e precarização”, expõe. “Com nossa perda da capacidade salarial, a sociedade perde, pois isso impacta no consumo no Estado”, aduz Tadeu.

Desemprego

A última reunião sobre a pauta com o governo aconteceu nessa quarta-feira (14) com a vice-governadora Jaqueline Moraes (PSB), ocasião em que a entidade mostrou novamente seus números e associou o alto desemprego no Estado – atualmente em 10,9% – com a decisão de não recompor as perdas inflacionárias dos mais de 60 mil servidores estaduais.

O reajuste reivindicado injetaria R$ 20 milhões/mês na economia capixaba, proporcionando abertura de negócios, geração de empregos e recolhimento de impostos, argumenta a entidade. Ao invés disso, critica, “o governador prefere manter bilhões acumulados em caixa sem argumentação técnico-financeira plausível”.

O Sindipúblicos também compara os recursos que poderiam aquecer a economia, mediante reajuste salarial, às perdas sofridas pelo comércio com a paralisação dos ônibus nesta semana, calculadas pela Federação do Comércio do Espírito Santo em R$ 10 milhões por dia.

“Comparando tal estimativa com a decisão do governo Casagrande, pode-se afirmar que a não recomposição de perdas gera prejuízos ao comércio equivalentes a dois dias parados por mês, ou seja, equivaleria afirmar que seria possível a criação aproximada de 10% a mais de novos negócios mensalmente, caso o governo cumprisse as constituições Federal e Estadual”, afirma o sindicato.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Esio Cavalcante , sexta, 16 de agosto de 2019

    Esse governo do Galego não tem credibilidade, não tem austeridade, não tem compromisso com o servidor, não tem valorização ao profissional, só tem mentiras, engodo, demagogia........ Para uns órgãos o caixa tá cheio e nem aí para LRF, como os 307 cargos comissionados/apadrinhados para o MPES e para a Ales, projetos sancionados pelo governo. Para os servidores da poder executivo o cofre tá vazio, existe um tal de "acordo" com a União e ainda a famigerada LRF, enquanto isso a mídia divulga que a arrecadação subiu quase 14% desde janeiro. Um dia é do caçador, o outro pode ser da caça, respeita o servidor Casagrande.

Matérias Relacionadas

Ações de proteção animal terão verba garantida no PPA estadual

Uma comissão mista definirá plano de castração, vacinação, ataque às zoonoses e bem-estar animal

Reflorestamento e poços de petróleo são temas prioritários sobre clima no ES

Soluções devem ser discutidas no Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas, lançado nessa quarta-feira

Associação de Defensores vai articular emenda ao PPA para ampliar orçamento 

Profissionais têm apoio de 21 deputados que assinaram emenda à LDO não aprovada em junho 

Nova paralisação e Assembleia no dia 30 decidirão sobre greve geral

Servidores públicos estaduais deliberaram novo prazo para o governo no ato desta quarta-feira (11)