Justiça determina que Cariacica construa um CAPs Infanto-Juvenil

Prefeitura tem 120 dias para oferecer serviço especializado para tratamento de álcool e drogas a jovens

Em uma ação conjunta, a Defensoria Pública do Espírito Santo e a Defensoria Pública da União conseguiram, no último dia 23 de abril, uma liminar determinando a implantação de uma unidade do Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSi) em Cariacica.

Em sua decisão, o juiz da 4ª Vara Federal Cível de Vitória dá ao município o prazo de 120 dias para iniciar a prestação do serviço. Caso não cumpra a medida, a prefeitura deve apresentar uma justificativa à Justiça Federal.

Desde 2016, a Defensoria Pública Estadual vem trabalhando para que o CAPSi seja construído, mas a gestão do prefeito Geraldo Luzia de Oliveira Junior (PPS), o Juninho, alega dificuldades financeiras para concretizar o projeto. Algumas medidas foram tomadas pela instituição ao longo dos anos, como a instauração de Procedimento Administrativo para apurar as informações (2016) e a realização de audiência pública e apresentação de um Termo de Ajustamento de Conduta (2017). 

Vitória

Militantes da área de Direitos Humanos comemoraram a decisão. Para Gilmar Ferreira, do Centro de Cidadania e Direitos Humanos da Serra (CDDH/Sera), há muitos anos, os profissionais e a militância da Saúde Mental vêm denunciando o descaso das autoridades públicas, que, ao invés de investirem na rede de atendimento psicossocial e o tratamento à dependência de álcool e outras drogas no serviço público de saúde com a construção dos Caps I, II e III  e os Caps AD, fizeram a escolha equivocada, no caso do governo do Estado, de implementar a Rede Abraço fora da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Para Gilmar, o serviço prestado em comunidades terapêuticas da Rede Abraço não possui um corpo técnico com capacitação adequada para atender essa população. “A saúde pública não pode ter viés religioso e fundamentalista. Lamento que seja preciso uma decisão judicial para que o Estado cumpra com suas obrigações, garantindo os direito da população infanto-juvenil”.

Gilmar ressaltou, ainda, a ausência de políticas públicas, sociais e de proteção integral à criança e ao adolescente, que é prioridade absoluta prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente, na legislação federal e em pactos internacionais. 

“Dados da Fundação Abrink já alertaram para a vulnerabilidade das crianças e a quantidades delas que vivem na pobreza extrema no Espírito Santo. Isso é um poço sem fundo e leva essa criançada a mais tarde conviver com os altos índices de reprovação, como constatou pesquisa do Instituto Jones dos Santos Neves sobre meninos e meninas do Iases (Instituto de Atendimento Socioeducativo). Claro que isso é uma conjugação de fatores, faltas e ausências. mas também tem relação com a qualidade de educação oferecida”. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Criad apela ao Supremo sobre superlotação do sistema socioeducativo

Determinação do Supremo sobre taxa de ocupação das unidades capixabas não tem sido cumprido pelo Estado

Defensores de outros estados virão participar de mutirão carcerário no Estado 

Medida é alternativa paliativa para suprir déficit de profissionais no Estado

Projeto que obriga preso a ressarcir o Estado é discutido no Senado

Militantes criticam medida considerada retrocesso por levar detentos à espécie de escravidão moderna   

DPES divulga planejamento estratégico como primeiro passo para expansão

Gilmar Alves Batista e Casagrande têm o desafio de ampliar o atendimento que encolheu desde 2015