Justiça equipara salário de agente de Polícia Civil ao cargo de investigador

Desde dezembro, primeiro servidor começou a receber diferença salarial de R$ 2 mil por desvio de função 

Agentes da Polícia Civil do Espírito Santo (PC-ES) que ingressaram na Justiça para solicitar equiparação salarial à função de investigador por desvio de função começaram a ver suas sentenças favoráveis sendo executadas. Um primeiro profissional teve sete parcelas de R$ 2 mil creditadas em seu contracheque de dezembro do ano passado. Os valores são referentes ao pagamento da diferença salarial entre os cargos. No caso, além de pagamentos de meses anteriores, de junho a novembro, também a diferença do próprio mês em vigor.  

Rodrigo Bonomo, que é diretor jurídico da Associação dos Agentes da Polícia Civil (Agenpol), explica que os agentes da PCES buscam há três governos - (Casagrande (2010/2014), Paulo Hartung (2015/2018) e, atualmente, Casagrande (2019/2022) -  o reconhecimento dos trabalhos desempenhados pelos servidores e necessariamente a reestruturação dos cargos da base da Civil. “Isso porque os agentes desempenham atribuições de investigação e inteligência na atividade fim da polícia judiciária”, explica.

“Assim, temos, atualmente, nos quadros da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo, dois cargos exercendo as semelhantes atribuições investigativas, mas com diferenças remuneratórias, o que impõe a dizer que são dois cargos desempenhando a atividade-fim no campo da polícia judiciária, mas recebendo salários incompatíveis. E essa tem sido a constatação nas decisões da justiça condenando o Estado ao pagamento das diferenças salariais entre os cargos. Ocorre que a Justiça está entendendo que os agentes não só fazem jus ao pagamento das diferenças salariais entre os cargos no período já trabalhado (passado), mas determina também o pagamento mês a mês, equiparando, na prática, o salário ao do investigador, por ser justo e de acordo com a realidade do cargo”, completa.

Diante da falta de reorganização interna dos cargos da PC por parte do Governo do Estado, cerca de 80 agentes ingressaram com ações na Justiça requerendo equiparação salarial aos investigadores por desvio de função. No geral, tramitam na Vara da Fazenda Pública de Vitória com diversas sentenças condenatórias já favoráveis, uma vez que os próprios delegados de polícia confirmam que tanto agentes quanto investigadores realizam exatamente a mesma função. 

Segundo ele, é de interesse que a situação seja resolvida por meio de uma reestruturação dos cargos da Polícia Civil, o que pode evitar novas ações judiciais, uma vez que cerca de 200 agentes ainda não acionaram a Justiça, mas podem fazer a qualquer momento. Estimativas apontam que o Estado gastaria menos com a reestruturação, uma vez que cada sentença por desvio de função tem sido calculada em cerca de R$ 250 mil,  pela própria Procuradoria Geral do Estado para execução de sentença. 

Histórico 

O cargo agente de polícia da PC foi criado em 2002 a partir do cargo de agente de presídio, que foi extinto. Com a falta de valorização da função, de 500 profissionais, hoje restam 300. Os representantes da carreira reivindicam que seja criado um cargo único de agente dentro da Polícia Civil, assim como ocorre em outros estados, a exemplo do Ceará, que já unificou os cargos, e o Rio de Janeiro que está implementando a mudança. 

O impasse, que depende de uma decisão política, esteve bem perto de ser solucionado no final da primeira gestão do governador Renato Casagrande, em 2014. Na ocasião, ação civil pública do Ministério Público (MPES) obteve ganho na Justiça, que determinou: “seja o Estado do Espírito Santo condenado à obrigação de fazer, consistente na reestruturação do quadro organizacional da Polícia Civil, no que refere às atribuições de investigador e elucidação de infrações penais, que deverão ficar afetadas a um único cargo (...) no que se refere à disciplina da situação funcional dos agentes de polícia civil (seja através da declaração da desnecessidade do cargo, seja através de previsão de extinção na vacância, com disponibilidade e posterior aproveitamento dos atuais agentes de polícia, seja através da transformação do cargo, dentro dos limites constitucionais, ou qualquer outro instituto jurídico hábil)”.

Bonomo afirma que, para atender à decisão, o Estado, no final de 2014, enviou à Assembleia Legislativa o PLC nº 48/2014 como forma de reconhecer o nível superior do agente e também modificar as atribuições do cargo para no futuro o próprio Estado transformar as funções numa só. Ao assumir o mandato em 2015, no entanto, o ex-governador Paulo Hartung retirou o projeto de pauta e a matéria foi arquivada. 

“Hoje existe um novo inquérito Civil no Ministério Público para mostrar que o Estado agiu de má-fé ao retirar a lei da Assembleia, visto que o juiz extinguiu a ação dizendo que o Espírito Santo havia cumprido com as exigências, o que, de fato, não ocorreu.  Com isso, os agentes começaram a entrar com as ações de desvio de função na Justiça”, explicou Bonomo. 

Concurso de 1993

Os agentes da PC começaram a assumir a função investigativa durante os vários anos em que a Polícia Civil ficou impedida de realizar concurso para a função de investigador.

A proibição se deu em função de ações judiciais que ficaram mais de duas décadas em tramitação questionando o concurso realizado pela PC em 1993. Alguns investigadores tomaram posse por decisão judicial mais de 20 anos depois do concurso. 
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Procurador de Justiça intima Estado a equiparar cargos de agente e investigador

Eder Pontes dá 30 dias para que desvio na Polícia Civil seja solucionado. Agentes pleiteiam nível superior

Entidades denunciam tentativa de “reparação de fachada” da Samarco/Vale-BHP

Empresas querem reduzir em 14 vezes valor total das assessorias técnicas selecionadas por atingidos

Concurso para delegado da Polícia Civil é suspenso após ação da Defensoria

Houve desproporcionalidade na pontuação da prova prática e ausência de lista de classificação

Assassinato do Padre Gabriel completa 30 anos sem esclarecimento

Religioso francês atuava junto a comunidades periféricas e foi executado em 1989 em Cariacica