Justiça mantém vereador de Nova Venécia afastado do cargo

Luciano Pereira dos Santos, o Cabo Tikeira, foi acusado da prática de rachid

O vereador Luciano Pereira dos Santos (PV), de Nova Venécia (noroeste), continua afastado do cargo. O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) negou seu pedido de recondução ao cargo.

Conhecido como cabo Tikeira, ele responde a processo em que é denunciado pelo Ministério Publico Estadual (MPES) pela prática de rachid.

O MPES sustenta que o vereador se utiliza do cargo para obter empréstimos bancários consignados em nome de servidores da Câmara de Nova Venécia. Esses empréstimos são descontados na folha de pagamento dos servidores.

Segundo o site do MPES,  o pedido de afastamento do vereador por 180 dias foi deferido no dia 30 de julho. As investigações indicaram que o vereador exonerava dos cargos quem se recusava a fazer empréstimos, além de ameaçar as testemunhas ouvidas no procedimento aberto para apurar o caso.

A decisão do TJES ressalta que o afastamento permite a apuração sem interferências que o vereador poderia impor pela presença e atuação próxima às testemunhas e aos envolvidos na investigação. 

“A manutenção do afastamento do agravante do cargo se faz necessária para que os fatos sejam definitivamente apurados, bem como para preservar o município da lesividade de sua presença na Câmara Municipal, ante os graves e concretos indícios das práticas denunciadas nos autos da ação cautelar ajuizada, bem como no Inquérito Civil, já instaurado”, consta na decisão.

No rachid, o agente da coação obriga um servidor público a dar parte do salário em troca da manutenção do cargo. A prática do rachid é comum no Estado.

O caso do cabo Tikeira é o quarto em investigação relacionado à Câmara de Nova Venécia. Também neste mês, o Ministério Público ajuizou ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o vereador Josiel Santana, conhecido como Biel da Farmácia (PV), por interferência na marcação de exames e consultas em diversos órgãos de saúde. Já Valdemir da Silva Pereira (PDT), o Mir de Guararema, foi acusado de assédio sexual. 

Em julho passado, o vereador Ronaldo Mendes Barreiros (SD) teve o mandato cassado por quebra de decoro parlamentar e improbidade administrativa. Ronaldo foi denunciado por peculato-furto de um notebook que pertencia à Câmara, onde ele trabalhava. De acordo com a denúncia, o vereador retirou o notebook do gabinete de vereadores e o levou para casa, em janeiro de 2017, quando o legislativo estava de férias. A cassação do vereador foi motivada por iniciativa popular.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Artistas se mobilizam contra inclusão de 'cultura religiosa' na Lei Rubem Braga

Com abaixo-assinado, reunião e ato, entidades pedem que Luciano Rezende vete emenda de Davi Esmael

Palanque independente

Bastidores políticos apontam para César Lucas, mas o PV tem outro candidato em Cariacica: Professor Elinho

Metade dos trabalhadores em limpeza não recebe adicional por insalubridade

Sindicato orienta acionamento da Justiça, onde as ações já estão sendo decididas em favor da categoria

MPF processa Sueli Vidigal pela prática de 'rachid'

Acusação se refere ao primeiro mandato de deputada federal, com valores calculados em R$ 53,7 mil