Justiça modifica 1500 acordos em favor da Samarco/Vale-BHP

Decisão da 12ª Vara Federal de MG, durante recesso judicial, prejudica nove mil pescadores atingidos

A 12ª Vara Federal de Minas Gerais modificou aproximadamente 1500 acordos feitos entre a Fundação Renova e os pescadores atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP, ocorrido em Mariana/MG no dia cinco de novembro de 2015.

A decisão foi tomada durante o recesso judicial de fim de ano, no dia 27 de dezembro, e sem ouvir os pescadores, atendendo claramente a uma demanda das empresas. Desde que assinaram os acordos, em janeiro de 2018, as empresas vinham pedindo à Justiça modificações nos valores estabelecidos para pagamento aos pescadores.

Segundo o advogado Leonardo Amarante, representante de colônias e federação de pesca que reúnem cerca de nove mil pescadores atingidos no Espírito Santo e em Minas Gerais, uma das modificações solicitadas refere-se ao auxílio emergencial – o pagamento mensal feito às pessoas impedidas de exercerem a pesca depois do crime e que ficaram sem sua fonte de renda tradicional.

Acatando o pedido das empresas criminosas, a 12ª Vara Federal permitiu que a soma dos pagamentos mensais já feito seja descontada do valor das indenizações, contrariando até mesmo recomendações das Defensorias Públicas e Ministério Público Federal.

“Com essa mudança, não somente os 1500 acordos já realizados devem ser afetados, mas todos os outros quase 7500 que aguardam na fila, levando o caso a se arrastar por mais longos anos na justiça”, disse Leonardo Amarante, afirmando que as entidades irão recorrer da decisão.

“Isso é muito injusto. Até porque é muita gente está parada, vivendo com base nesse auxílio emergencial”, comenta Simião Barbosa dos Santos, presidente da Associação de Pescadores e Assemelhados de Povoação (APAP).

“São mil e poucos reais por mês! Se estivessem trabalhando, estariam ganhando muito mais do que isso. É uma injustiça com toda a classe de pescadores. A justiça tem que rever isso, o CIF também”, clamou, referindo ao Comitê Interfederativo (CIF), instância que reúne órgãos dos governos federal, estaduais e municipais, responsável por fiscalizar as ações da Fundação Renova na compensação e reparação dos danos socioambientais oriundos do crime, o maior da história da mineração mundial.

 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Conselho de Meio Ambiente mantém multa de R$ 150 mil contra Samarco/Vale-BHP

Infração se deve ao não fornecimento adequado de água potável para atingidos pelo crime de Mariana

Toninha está ameaçada no Estado por lama da Samarco e expansão portuária

Mamífero marinho mais raro do país, Toninha indica melhor modelo de desenvolvimento para a costa capixaba

Manguezal do Mariricu registra maior mortandade de animais desde 2015

Comunidade de Nativo foi reconhecida como atingida, mas Renova ainda não pagou auxílios nem indenizações

Justiça federal tranca ação penal contra executivos da Vale, Samarco e BHP

Ricardo Vescovi, ex-presidente da Samarco e hoje assessor da Findes, deve ser um dos beneficiados