Lagoas de Carapebus sofrem com poluição e descaso 

Até um pesque-pague famoso na Lagoa de Carapebus fechou as portas

Um complexo de lagoas, localizado no bairro de Carapebus, na Serra, sofre com a poluição, fruto do descaso do poder público municipal e também estadual. De acordo com proprietários de terra na região, até um pesque-pague que funcionava há cerca de oito anos teve que encerrar as atividades, pois não existem mais peixes e o nível das águas está escasso nas lagoas que, no momento, agonizam.

Segundo relato dos próprios moradores, o problema intensificou-se depois a que a Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) iniciou a construção de redes de esgoto próximo às lagoas.

Não houve, porém, a conclusão das redes elevatórias para coletar o esgoto na região. Assim, muitos dejetos escorrem para as lagoas do Baú e de Carapebus, que ficaram ainda mais poluídas, o que também intensificou o crescimento de vegetação espessa em toda a superfície das lagoas, inviabilizando completamente a navegação de pequenos barcos. A comunidade reivindica uma solução definitiva para a situação. 

O prazo era para que as obras fossem entregues em julho de 2018, segundo a Prefeitura da Serra e Governo do Estado, o que não foi cumprido. O atraso coloca em risco um complexo de lagoas que integram a Área de Proteção Ambiental (Apa) de Praia Mole. Associações de moradores chegaram a acionar o Ministério Público Estadual (MPES) pedindo que o órgão cobre da concessionária a conclusão das obras.

José Laurentino, sobrinho de Déa Maria dos Santos Silva, proprietária de terra próxima à lagoa de Carapebus, explica que a tia acumula prejuízos financeiros, uma vez que depois do início das obras seu pesque-pague simplesmente deixou de existir. 

Segundo Laurentino, as obras da Cesan foram realizadas sem autorização de sua tia. “Todas as águas que corriam no terreno dela foram poluídas e, com o tempo, foi surgindo uma vegetação e a água secou. Praticamente não existe mais água”, disse. De acordo com ele, a família procurou a Secretaria de Meio Ambiente da Serra, sem que nada fosse feito para resolver o problema.  

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Prefeitura da Serra entra na Justiça para evitar mortes e acidentes na BR-101

Gestão de Audifax Barcelos quer reinstalação de radares em trechos mais perigosos

Moradores de Cedrolândia realizam novos protestos contra má qualidade da água

Amostras da água de cor amarelo escuro e gordurosa foram levadas para frente da prefeitura

Conselho de Administração elege novos diretores da Cesan

Carlos Linhalis é o novo presidente. Rodolpho Gomes, Operacional, e Thiago Gonçalves, Meio Ambiente

Audifax acolhe membros da equipe de Hartung de olho na sucessão municipal

O prefeito da Serra, Audifax Barcelos, também é potencial candidato ao governo do Estado em 2022