Lideranças capixabas criticam troca de chefe do Parque Caparaó

Analista ambiental foi substituído por um comerciante e ex-candidato a vice-prefeito pelo DEM

É com muita insatisfação que lideranças ambientalistas, políticas e turísticas do Espírito Santo receberam a notícia da troca do antigo chefe do Parque Nacional (Parna) do Caparaó, o analista ambiental Cristophe Balmant, pelo comerciante Dalmes Dutra Cardoso Junior.

A substituição foi feita pelo presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação (ICMBio), Homero Cerqueira, em portaria publicada nesta segunda-feira (15). Conhecido como Juninho do Artesanato, o novo chefe é filiado ao Partido Democratas (DEM) e foi a candidato a vice-prefeito de Alto Caparaó - município onde está localizada a sede mineira do Parque - em 2016, mas não foi eleito.

Dalva Ringuier, secretária municipal de Turismo de Dores do Rio Preto, no entorno direto do Parque, e uma das mais experientes lideranças ambientais do Caparaó Capixaba, ressalta que a direção de um Parque Nacional é um cargo técnico, que necessita de pessoas com experiência em administração de unidades de conservação. “Não é o mesmo que administrar um comércio ou uma empresa”, compara.

O Caparaó, especificamente, está localizado em dois estados e o gestor do Parque precisa ter experiência com essa realidade complexa e saber dialogar com todas as comunidades do entorno.

“Estados e municípios não foram ouvidos. Os comitês de bacias hidrográficas não foram ouvidos. Em nenhum momento. Fomos surpreendidos com a exoneração do Chistophe. Isso não é bom pra uma unidade de conservação. Independentemente da pessoa que entrar, não pode ser dessa forma”, criticou Dalva, ressaltando a importância hídrica da região, que é produtora de água para três bacias: Itapemirim, Itabapoana e Doce.

Presidente do Circuito Caparaó Capixaba, uma associação de empreendimentos turísticos de Guaçuí, Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço e Ibitirama, Marcelo Sanglard Valentim declarou a indignação do setor com a decisão política, principalmente pelo fato de que o chefe anterior mantinha um bom diálogo com as comunidades, inclusive no lado capixaba, historicamente preterido em relação à porção mineira do Caparaó.

“A bancada federal capixaba é muito omissa em relação ao Parque. O Cristophe vinha atendendo às demandas capixabas, agora a gente não sabe como vai ficar. A impressão é que a antiga gestão do parque não estava coadunando com a gestão do ICMBio”, comentou. “É uma grande injustiça a gente ficar à mercê desses joguetes políticos”, lamentou.

Em reportagem veiculada no Jornal Nacional nesta terça-feira (16), também criticaram a medida a Associação dos Servidores do ICMBio e a ONG WWF Brasil, ressaltando os prejuízos advindos da excessiva interferência política na gestão ambiental brasileira, características do atual governo federal.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

‘Bloco dos voluntários’ faz mutirão de Carnaval no Parque Nacional do Caparaó

Sem orçamento federal para as obras, comunidade arrecada doações e recupera estradas da portaria capixaba

Pedra Menina realiza mutirão para reconstruir acessos do Parque do Caparaó

Primeira ação foi transferida para esta quarta-feira. Voluntários cadastrados podem participar

Pedra Menina recebe mutirão para reconstruir acessos do Parque do Caparaó

Primeira ação acontece neste sábado. Voluntários cadastrados podem participar

Circuito Caparaó realiza levantamento dos prejuízos com fechamento de parque

Parque Nacional do Caparaó está fechado por tempo indeterminado, impactando o turismo local