Luís Capucho, um capixaba maldito, apresenta novo disco

Cantor e compositor cachoeirense radicado no Rio de Janeiro lançou Crocodilo, com dez músicas inéditas

Foto: Pedro Paz

Antes tarde do que nunca. Mas vamos falar do disco de Luis Capucho, lançado no último dezembro. Em Crocodilo, lançado nas plataformas virtuais, o cantor e compositor cachoeirense mostra mais uma vez sua alma de maldito. Os poetas à margem tem muito a dizer. Integrante de uma geração de artistas que emergem nos anos 90 e receberam a alcunha de movimento Retropicalista, ele aponta para uma MPB que fala não só das coisas belas mas também das angústias, dos errantes, do submundo.

Nascido em Cachoeiro de Itapemirim, Luis Capucho foi morar no Rio de Janeiro ainda adolescente, tendo se formado por em Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF), seguindo em paralelo com a música uma carreira na literatura.

A voz rouca do artista marca sua música e também traz marcas de sua vida. Em 1996, mesmo ano em que havia lançado sua primeira canção no disco coletivo Ovo, foi internado por conta de uma neurotoxoplasmose, descobrindo também que possuía AIDS. “Minha voz é muito estranha, por causa da minha incoordenação motora. Tenho dificuldade para pronunciar os fonemas e a força que preciso fazer para dizê-los, incham-me as veias do pescoço. Também para que elas saiam é necessária muita concentração e, desse modo, as palavras ficam lentas, explicadas, com a pronúncia exagerada pelo esforço em dizê-las. E embora saiam explodidas, altas, roucas e arranhadas, são sempre minuciosas em sua pronúncia”, escreveu em seu livro “Mamãe me adora”.

De fato, a voz e pronúncia marcam um estilo próprio de uma carreira que produz música de alta densidade existencial. Crocodilo é seu quarto álbum, contento 10 canções e 33 minutos de duração, contando com participação de Gustavo Galo, Julia Rocha, Lucas de Paiva, Claudia Castelo Branco, Bruno Cosentino, Marcos Campello, Evaldo Luna e Pedro Carneiro, conhecido como Vovô Bebê, responsável pela produção do disco em geral. “É uma coisa louca que tenhamos conseguido unidade para o disco Crocodilo, sendo que cada uma das faixas tenha sido produzida por um artista diferente. E acho que a sinergia que rolou, como já disse de um outro modo e antes, tem a ver com a liberdade. É a liberdade de cada artista que tornou o Crocodilo inteiro”, explica.

Crocodilo vem para dizer que não está tudo bem. Não só lá fora, mas também dentro de nós. Mas a consciência disso é um passo importante para a transformação e o artista costuma ocupar o papel de lutar contra as amarras por uma vida mais livre.

A obra foi para internet no mesmo momento em que o ex-presidente Luís Inácio Lua da Silva saía da prisão, o que o artista relacionou com as músicas nele contidas. “Libertei-as e fazem parte desse mesmo ímpeto, do mesmo fluxo de movimento das coisas que têm de ser livres, ter liberdade, uma força. A liberdade é uma força e essas músicas do Crocodilo estão em sincronia, sintonia, sinergia com isso".

O disco completo pode ser ouvido em plataformas como YouTube, Spotify e no site oficial de Luís Capucho.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Casa antiga será transformada em espaço cultural no Centro de Vitória

Loja Thelema e outros empreendimentos se juntam na Rua Graciano Neves, a partir de fevereiro

Editais da Secretaria de Estado da Cultura têm prazo de inscrição adiado

Na coluna: novos prazos, outros editais de galerias de arte e espaço cultural, restauro de museu em Muqui

Blocos se organizam por melhorias no Carnaval do Centro de Vitória

Representados desde o ano passado pelo Blocão, 14 agrupações discutem com poder público questões da festa

Atividades culturais e tartarugas são atrações em Regência

Todos os sábados até o carnaval acontece corrida de filhotes com feira cultural no Projeto Tamar