Majeski aponta fraude em denúncia e pede investigação para achar desaparecido 

Deputado pede abertura de inquérito para apurar autor de denúncia contra ele na Corregedoria da Assembleia

O deputado estadual Sergio Majeski (PSB) protocolou nessa segunda-feira  (4) uma notícia-crime pedindo a abertura de inquérito policial para localizar Gleison Souza Peçanha, que se encontra desaparecido, e que, supostamente, teria apresentado denúncia segundo a qual o parlamentar teria usado serviços do servidor comissionado, que também subscreveu o documento, para fins pessoais. 

O processo contra Majeski corre na Corregedoria-Geral da Assembleia por quebra de decoro e peculato, conforme a denúncia protocolada às 14h35 do dia 9 de julho de 2018 junto à Presidência da Assembleia Legislativa, sendo recebida pela coordenadora do gabinete, Dilma Nunes Pimenta Layber. A notícia-crime levanta a suspeita de uma denúncia fraudulenta. 

“Além de apócrifa, não se pode verificar verossimilhança das alegações nem tão pouco existe evidências de que possa caracterizar crimes, infração ética ou contrária ao decoro parlamentar, conforme exarado pelo procurador, Dr. Alécio Fávaro”, justifica a defesa de Majeski na notícia-crime. 

O documento esclarece que, “de posse do nome do denunciante, uma vez que a denúncia não trazia nenhum outro dado que permitisse sua identificação, com exceção do nome, foi realizada uma busca simples no 'Google', que apontou que Gleison Souza Peçanha estaria desaparecido desde janeiro de 2016, conforme BO 27432136, e responde a alguns processos no Tribunal de Justiça, estando em local incerto e não sabido”. 

De acordo com familiares de Gleison, ele estaria desaparecido há anos, chegando-se à conclusão que o documento (denúncia) contém o nome de um denunciante que, em tese, seria de uma pessoa desaparecida, sem homônimo, indicando assim uma possível fraude.

A notícia-crime apresentada por Majeski solicita à Delegacia Especializada em Crimes de Defraudações e Falsificações relatório que comprove a entrada e saída do sistema de catracas da Assembleia de Gleison Souza Peçanha, no dia 9 de julho de 2018. 

Pede ainda as imagens de videomonitoramento do circuito interno do legislativo estadual referentes a Gleison “ou do portador do documento que deu ensejo à instauração do procedimento em questão, de preferência nas portarias, garagem, presidência e protocolo, exame grafotécnico, e oitiva com Dilma Nunes Pimenta Layber, do gabinete da Presidência, e Luciano Mateus, servidor responsável pelo recebimento do documento no setor de protocolo".

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Capitão Assumção apaga mensagem de Ano Novo em que repete incitação ao crime

No vídeo, apagado nesta segunda (6), deputado faz o mesmo discurso que motivou o processo na Corregedoria

Assembleia fecha o ano sem apurar quebra de decoro do Capitão Assumção

Discurso de recompensa feito pelo deputado é considerado uma incitação à prática de crime

Deputados zeram a pauta de votação e iniciam recesso de final de ano

A sessão desta quarta foi marcada por votações em regime de urgência e anúncio da ''comissão do recesso''

Assembleia aprova regras de transição da nova Previdência dos servidores

O Plenário aprovou a transição em regime de urgência, o que gerou protestos de parlamentares