Majeski levanta suspeição de troca de favores entre o MPES e a Assembleia

Deputado estadual condenou a aprovação de projetos em regime de urgência pouco antes do recesso

A suspeição de uma troca de favores entre o Legislativo e o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) foi levantada pelo deputado estadual Sergio Majeski (PSB), ao questionar a aprovação, em regime de urgência, de projetos polêmicos um dia antes do recesso parlamentar, que começa nesta quinta-feira (18). 

Na terça-feira (16), a Assembleia Legislativa aprovou vários projeto do MPES e da Mesa Diretora da Assembleia, alterando a estrutura administrativa desses órgãos, principalmente a política de pessoal. Tanto os projetos do MPES quanto os da Assembleia facilitam a criação de cargos comissionados e dificultam a fiscalização de atividades externas, abrindo brecha para os “servidores fantasmas”, além de aumentar as despesas nos cofres públicos. 

“É muito estranho que no apagar das luzes venham esses projetos, para serem votados em regime de urgência. O Ministério Público, criando mais 307 comissionados, passará a ter mais de 500 cargos comissionados, número superior aos efetivos”, questiona o deputado, ressaltando a livre indicação. 

Majeski aponta para o fato de já existir excesso de comissionados no Ministério Público e na Assembleia Legislativa e que não há um regramento na escolha. “No momento em que há uma descrença generalizada nas instituições, é lamentável que fatos como esses aconteçam”, diz o parlamentar. 

De acordo com ele, é estranho que o projeto chegue exatamente no “apagar das luzes”, sem tempo para uma análise mais aprofundada. “Parece que está tudo combinado”, ressalta, falando ainda da aprovação de um 13º no tíquete alimentação do MPES, de R$ 1,2 mil, salário indireto que outras categorias não têm. 

Já com relação aos projetos da Assembleia Legislativa, Majeski criticou a supressão da necessidade do envio de relatório mensal de frequência e atividades desenvolvidas pelos servidores do chamado “gabinete externo” ao gabinete parlamentar.  

O deputado lembrou que o Ministério Público e a Assembleia chegaram a criar uma discussão em torno da exigência do controle de ponto desses servidores, que agora foi esquecida, como se tudo fosse combinado.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Tribunal de Justiça deixa para Eder Pontes decidir se processa Sergio Majeski

Deputado pode responder por calúnia e difamação após criticar aprovação de cargos comissionados no MPES

Defesa de Majeski em ação de Eder Pontes reforça inviolabilidade parlamentar

Deputado destacou ao TJES a ilegitimidade da interpelação do procurador-geral de Justiça

Sem recuo

Sergio Majeski: sou pré-candidato e participarei ativamente da eleição em Vitória

Presidente da OAB fica do lado de Majeski na ação penal movida por Eder Pontes

Tema foi debatido por Majeski, Roberto Martins e José Carlos Rizk em evento sobre ''Democracia e Justiça''