Marcelo Santos 'joga a toalha' e apoia nome de Ciciliotti ao Tribunal de Contas

Deputado estadual não conseguiu superar os argumentos de Casagrande e decidiu sair da disputa

“Aproveito para expressar meu apoio integral à indicação de Luiz Carlos Cicilotti à vaga em questão”. Assim, o deputado estadual Marcelo Santos (PDT) finaliza a nota distribuída ao meio-dia desta sexta-feira (15), na qual ele confirma a desistência em disputar a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

O gesto acaba com o embate entre o governo e o “blocão” formado pelo presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso (PRB), liderado pelo deputado, que ameaçou rachar a base de sustentação do governador Renato Casagrande. O governo demonstra, ao impor o nome do seu candidato, que exerce poder sobre o parlamento estadual.  

Essa decisão foi adotada na reunião realizada na noite dessa quinta-feira (14), no Palácio Anchieta, entre o deputado, o governador Renato Casagrande, o presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso, e vários outros parlamentares, e divulgada em primeira mão por Século Diário logo depois de encerrada, às 21 horas.   

No comunicado, o deputado Marcelo Santos relaciona entre os motivos para a renúncia à disputa o de impedir que o primeiro suplente, Luiz Durão (PDT), preso por estupro, viesse a ocupar sua cadeira na Assembleia, caso ele fosse para o TCE.

No entanto, sabe-se nos meios políticos que a decisão foi adotada depois de amplas negociações, quando o governo fez valer a sua influência entre os parlamentares.   

Com a desistência, foi superado o aprofundamento de um embate que seria prejudicial ao Estado, por envolver os dois poderes constituídos, Executivo e Legislativo, sobre quem recaem os meios da governabilidade. No entanto, mesmo com esse acordo, sabe-se, nos meios políticos, que o atual governo não terá vida fácil.

Parlamentares que não aderiram aos acenos do governo representam uma barreira significativa, entre eles o deputado Sergio Majeski, que apesar de ser do PSB, mesmo partido de Casagrande, já deu mostras de que terá uma atuação mais independente. Entra nessa relação o experiente Theodorico Ferraço (DEM) que, até agora, não se manifestou.   

Na nota, Marcelo Santos comunica “aos aos amigos e apoiadores” que não entrará na disputa pela vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Espírito Santo, “assim como ocorreu quando do honroso convite que recebi do governador Renato Casagrande para ocupar a Secretaria de Esportes”. 

Em outro trecho ele afirma que manteve a coerência e que tomou a decisão para evitar que, “escolhido, a Assembleia Legislativa se visse constrangida a empossar um suplente envolvido em grave denúncia de estupro”, referindo-se a Luiz Durão (PDT).

“Essa decisão tem ainda o objetivo de contribuir para a manutenção e fortalecimento do ambiente de responsabilidade e harmonia que hoje cerca o relacionamento entre o Governo e o Legislativo estadual", completou. 

A reunião de quinta-feira, no Palácio Anchieta, que definiu a desistência de Marcelo ao cargo, teve o comando do próprio governador e foi realizada depois de sucessivas tentativas, sem sucesso, dos secretários Tyago Hoffmann, de Governo, e David Diniz, da Casa Civil, visando demover o parlamentar da ideia de disputar a vaga no Tribunal de Contas. 

Além dos envolvidos diretamente, participaram do encontro o líder do governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), Rafael Favatto (Patri), Hudson Leal (PRB), Lorenzo Pazolini (PRP), e Capitão Assumção, Torino Marques, Danilo Bahiense e Alexandre Quintino, todos do PSL. 

Ciciliotti

Braço direito do governador Renato Casagrande e coordenador da campanha eleitoral, o farmacêutico Luiz Carlos Ciciliotti não foi agraciado com nenhum cargo de destaque no governo. Esse cenário teria por finalidade resguardá-lo para ocupar o cargo de conselheiro, assim que fosse declarado vago. 
 
A concessão de aposentadoria de Valci Ferreira, preso por corrupção, foi publicada no Diário Oficial desta quinta e o TCE já oficiou à Assembleia, possibilitando a abertura da vaga de conselheiro. Valci solicitou o benefício no último dia 4 de fevereiro ao Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (IPAJM). 

Nesta sexta-feira (15), a Assembleia publicou o edital abrindo as inscrições para o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas, “decorrente da aposentadoria do conselheiro Valci Ferreira”.  As inscrições poderão ser feitas até às 12 horas no próximo dia 19 e serão analisadas por uma comissão formada pelo diretor-geral da Assembleia, Roberto Carneiro, o secretário-geral, Carlos Eduardo Casa Grande, o procurador-geral, Rafael  Henrique Guimarães Teixeira de Freitas, e o secretário de gestão de pessoas, Joel Rangel Pinto Júnior.

Turbulências

Desde a semana passada, a disputa pela indicação gerou articulações em torno dos principais candidatos, Marcelo Santos e Luiz Carlos Ciciliotti. Foi exatamente para contestar o livre trânsito de Marcelo nas comissões permanentes da Assembleia que o “blocão” sofreu abalo nessa terça-feira, sendo recomposto no dia seguinte, com Marcelo liderando. 

Com o grupo de Erick Musso/Marcelo Santos fortalecido, na quarta-feira, o governo resolveu investir pesado, obtendo o apoio da maioria dos 30 deputados e rachando a articulação em favor de Marcelo Santos. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Corda bamba

Apontado há meses como o principal concorrente em potencial de Casagrande, Audifax vê seu projeto ruir

Comissão de Finanças já analisa projeto da LDO com aumento do déficit primário

O aumento do déficit primário na LDO segue a linha de cautela do governador Renato Casagrande

Defensoria entra na Justiça para reserva de cotas no concurso da Polícia Civil 

Uma ação civil pública foi protocolada na 1ª Vara da Fazenda para garantir cotas para negros  

Defensoria Pública nomeia seis aprovados no último concurso realizado no Estado

Nomeações são para vagas em aberto; a cada 20 dias, um profissional desiste da carreira no Estado