‘Melhor em Casa’ começa a funcionar neste mês em sete municípios

Programa possibilita atendimento de saúde domiciliar pelo SUS desde 2011. ES foi o último estado a aderir

A partir deste mês de março, o Espírito Santo passa a integrar o programa Melhor em Casa, do Ministério da Saúde. Inicialmente, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), sete municípios serão contemplados: Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Colatina, São Mateus, Serra, Vila Velha e Vitória. 

Criado em 2011 pelo governo federal, o serviço possibilita que pacientes possam receber em casa os cuidados de profissionais, custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Estado era o único que ainda não havia aderido. A inércia foi quebrada a partir de Indicação parlamentar do deputado estadual Sergio Majeski (PSB), aprovada em junho de 2019 pela Assembleia Legislativa, agora confirmada pelo governo.

“No ano passado identificamos a ausência e fizemos a indicação. O serviço é importante e para algumas famílias e pessoas, essencial. Outro benefício é diminuir a demanda por leitos nas unidades de saúde”, comemora Majeski.

A estimativa da Sesa é de que se estivesse hoje em vigor, cerca de 150 pacientes localizados na Grande Vitória poderiam estar recebendo atendimento domiciliar e os leitos disponíveis para receber outros pacientes. 

O programa é indicado para pessoas que apresentam dificuldades temporárias ou definitivas de sair das residências para chegar até uma unidade de saúde, ou ainda para pessoas que estejam em situações nas quais a atenção domiciliar é a mais indicada para o tratamento. A atenção domiciliar visa a proporcionar ao paciente um cuidado mais próximo da rotina da família, evitando hospitalizações desnecessárias e diminuindo o risco de infecções, além de estar no aconchego do lar.

Nos casos em que o paciente precisa ser visitado semanalmente ou mais, ele poderá ser acompanhado por equipes específicas de Atenção Domiciliar, como as que fazem parte do Programa Melhor em Casa.

O atendimento é realizado por equipes multidisciplinares, formadas prioritariamente por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeuta ou assistente social. Outros profissionais (fonoaudiólogo, nutricionista, odontólogo, psicólogo, terapeuta ocupacional e farmacêutico) poderão compor as equipes de apoio. Cada grupo de trabalho poderá atender, em média, 60 pacientes, simultaneamente.

Por mês, o Ministério da Saúde repassa R$ 50 mil para o custeio das Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar Tipo 1 (EMAD 1), R$ 34 mil para o custeio das Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar Tipo 2 (EMAD 2) e R$ 6 mil para as equipes de apoio (EMAP) e os repasses do Ministério não excluem a possibilidade de aporte de recursos pelos gestores locais.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Mosca morta é encontrada em jantar servido no Hospital Infantil de Vila Velha

Empresa contratada pela OS que administra o Hospital acumula diversos problemas nos últimos três meses

Retrospectiva: gestão do secretário Nésio Fernandes breca terceirizações

Também teve destaque na Saúde luta de agentes por piso salarial e descasos em Cariacica

CRM alerta para falta de médicos no SUS em período de festas de fim de ano 

Nota publicada pelo Conselho Regional culpa poder público por vínculos precários de trabalho

Ex-funcionários do Himaba realizam protesto por pagamentos e contratações

Denúncias apontam que atual gestão aproveita menos de 40% do quadro, reduzindo leitos de UTI e emergência