Ministério Público desmonta esquema de corrupção em prefeituras

A operação envolve empresários e servidores públicos em fraude de licitações para a coleta de lixo

Sete mandados de buscas e apreensões deferidos pelo Juízo da Comarca de Montanha, noroeste do Estado, foram cumpridos na manhã desta terça-feira (26) no município, com o objetivo de apreender documentos, computadores, mídias e outros equipamentos visando apurar a suposta prática de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, formação de quadrilha, fraude à licitação e tráfico de influência na coleta de lixo. 

As ações fazem parte da terceira fase da operação “Varredura”, denominada “Retomada”, nos municípios de Montanha, São Gabriel da Palha, Colatina e João Neiva, iniciada em agosto de 2017, quando foram presos o empresário Richelmi Milke, dono da empresa RT Empreendimentos e Serviços Ltda, de São Gabriel da Palha, e o secretário de Administração e Finanças de Ponto Belo, Vanilson Alves Vilela. 

Na época da primeira operação, o Ministério Público chegou a pedir o afastamento do prefeito de Ponto Belo, Sergio Murilo Moreira Coelho (PSDB), e mais 11 servidores públicos, pela prática de atos de improbidade administrativa.

O nome da operação é uma referência à necessidade de varrer a corrupção no setor de coleta e tratamento de resíduos sólidos em municípios do Estado. As investigações estão sendo conduzidas por cinco promotores de Justiça, com participação e apoio de 16 policiais do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES, por meio do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco Norte) e da Promotoria de Justiça de Montanha, com participação e apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES.  

A primeira fase da Operação Varredura foi deflagrada pelo MPES no dia 29 de agosto de 2017, nos municípios de São Mateus, Jaguaré, São Gabriel da Palha e Vila Velha. As ações foram desenvolvidas pelo  Gaeco-Norte e da Promotoria de Justiça Criminal de São Mateus, com participação e apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES.

Dois dias depois, foi deflagrada a segunda fase da operação, nos municípios de Ponto Belo, São Gabriel da Palha e Baixo Guandu. Foram cumpridos cinco mandados de buscas e apreensões, cinco de conduções coercitivas e dois de prisão preventiva. 

O empresário Richelmi Milke, dono da empresa RT Empreendimentos e Serviços Ltda, foi preso em São Gabriel da Palha. Também foram apreendidos documentos, computadores, mídias e outros equipamentos e materiais.

Além da RT Empreedimentos e Serviços, são investigadas como participantes do esquema fraudulento as empresas Aliança Serviços e Construções e Qualitar Limpeza e Soluções Ambientais. Há fortes indícios, como aponta a apuração, de que essas três empresas tinham a participação do empresário Richelmi Milke.

Em depoimento gravado, o titular da empresa Qualitar Limpeza e Soluções Ambientais, Edson Antônio Almeida, diz que não participou de licitação. Edson afirma que Richelmi faz parte de uma "sociedade verbal" com a Qualitar e que apenas o auxiliava na administração da empresa, não recebendo provento, tampouco fazendo parte do quadro societário. 

O titular da Qualitar, declarou que o "amigo" Richelmi Milke indicou a compra da empresa e ainda colaborou em setores em que não possuía conhecimento. Em outro trecho do depoimento, reafirma que não integralizou capital na empresa e que apenas ajudava na administração. Edson afirma que atualmente trabalha como auxiliar no escritório de contabilidade do irmão.

Após o cumprimento dos mandados nesta terça, os membros do MPES, com participação e apoio de policiais do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES, além de outros servidores, passarão a analisar os documentos e dados apreendidos, além de tomar declarações dos investigados, testemunhas e informantes.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • celso jose sacchi , terça, 26 de fevereiro de 2019

    "Em depoimento gravado, o titular da empresa Qualitar Limpeza e Soluções Ambientais, Edson Antônio Almeida, diz que não participou de licitação . Edson afirma que atualmente trabalha como auxiliar no escritório de contabilidade do irmão.' Quer dizer que, de líder da empresa, passou a ser auxiliar no escritório de contabilidade do irmão. Tudo leva a crer que era um "laranja" do "amigo" Richelmi Milke , isso é, participava fraudulentamente das licitações para fazer numero.

Matérias Relacionadas

Contarato pede suspensão de decisão de Toffoli que beneficia Flávio Bolsonaro

Contarato acha que decisão de Dias Toffoli pode gerar mais impunidade para crime de lavagem de dinheiro

Dallagnol aproveitou fama da Lava Jato para faturar também no Espírito Santo

O plano de palestras montado com a operação trouxe Deltan Dellagnol ao Estado entre 2016 e 2018

Polícia Federal cumpre mandado de prisão contra presidente do Banestes

Vasco Cunha Gonçalves tomou posse na Presidência do Banestes nessa segunda-feira

Definição sobre vaga de Valci Ferreira reacende disputa ao Tribunal de Contas

A defesa do conselheiro afastado, que está preso, entrou com pedido de aposentadoria no IPAJM