MP do Saneamento é alvo de Adin do Partido dos Trabalhadores

Helder Salomão: ''estou empenhado em derrotar essa medida absurda. O povo não pode pagar mais essa conta''

O Partido dos Trabalhadores (PT) ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 6128, com pedido de liminar, contra a Medida Provisória (MP) 868/2018, que atualiza o marco legal do saneamento básico e altera diversas normas relacionadas ao tema.

As alterações, segundo o partido, possibilitam a privatização forçada do sistema de saneamento básico brasileiro sem a participação plena do Congresso Nacional no processo.

"Estou empenhado nas articulações para derrotar esta medida absurda proposta pelo governo. O povo não pode pagar mais esta conta”, afirmou o deputado federal do Estado, Helder Salomão (PT).

Ele destaca que a sociedade vem demonstrando preocupação com a possibilidade de o governo entregar os serviços de saneamento para a exploração por empresas privadas, que já era uma sinalização do governo anterior. "Essa preocupação acontece porque é um setor altamente lucrativo e essencial à população mais pobre. A oferta de água potável de qualidade e o esgotamento sanitário afetam diretamente na melhoria dos indicadores de saúde da população, sobretudo dos mais pobres. O Estado não pode se eximir desta responsabilidade sob pena de prejuízos imensos para a saúde pública de forma geral”, completou.

Entre as inconstitucionalidades da MP, afirma o PT, está a forma de reestruturação da Agência Nacional de Águas (ANA), pois lhe confere competências novas e complexas, além de centralizar o planejamento do saneamento brasileiro em prejuízo das autonomias locais.

“A proposta destrói, a partir da decisão isolada, monocrática e contrária ao processo legislativo democrático, toda a estrutura do sistema de saneamento básico brasileiro, que vem conseguindo progressivamente vencer a batalha do acesso universal e da modicidade tarifária”, argumenta o partido, na ação enviada ao STF.

O partido sustenta, ainda, que a MP não atende ao requisito constitucional de urgência e relevância para sua edição. Como a área de saneamento “requer forte planejamento, financiamento e prazos longos para implantação de projetos”, o ideal, informa o STF, é que o debate no Congresso ocorra previamente, pois, ainda que tenha eficácia precária, caso a MP seja rejeitada ou tenha seu prazo exaurido, será necessária a edição de decreto legislativo para regular as relações jurídicas efetivadas no período de sua vigência.

Outro dispositivo apontado como violado é o artigo 62, parágrafo 10, da Constituição, que veda a reedição de medidas provisórias na mesma sessão legislativa. Segundo o PT, a MP 868 reedita de forma substancial a MP 844, que perdeu eficácia em novembro de 2018. Assim, o partido pede liminarmente a suspensão cautelar da eficácia da medida e, no mérito, que seja declarada sua inconstitucionalidade.

O relator da ADI é o ministro Alexandre de Moraes.

Rombo fiscal

Em nota divulgada na última terça-feira (7), a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) alertou que o material distribuído a favor da MP 868 mostra claramente sua intenção: utilizar as estatais de saneamento como contrapartida no plano de recuperação fiscal dos estados.

Juntamente com outras entidades, a Abes tem se posicionado contra a MP desde o governo anterior. “O discurso que vem sendo utilizado pelos defensores desta premissa prega pela universalização do saneamento e a preocupação com a população. Nada mais ilusório. O fato é que não se está discutindo uma proposta para melhorar a prestação de serviços de saneamento aos cidadãos, levar mais água tratada, coletar e tratar mais esgoto; o objetivo é pura e simplesmente o equacionamento fiscal dos estados. E as empresas estaduais passaram a ser apenas uma ‘moeda de troca’”, alerta a entidade.

Repúdio 

A recente versão, ainda não definitiva e submetida à apreciação e sugestões dos parlamentares que participam da Comissão Mista, teve suprimido o Artigo 10C, que dizia respeito ao chamamento público, ponto em que a Associação reconhece avanço.

“Mas o novo texto não define como vamos equacionar a prestação de serviços nos municípios que não têm contratos programa existentes com a nova lógica da prestação de serviços regional (bloco de municípios)”, ressalva a Abes.

Além disso, prossegue, mantém-se preocupante a questão do Artigo 8D, sobre a alienação das ações, o que causa insegurança jurídica no setor. Fere a Constituição, na premissa de “Direitos e Garantias Fundamentais”, em que nenhuma lei pode prejudicar o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada.

“Transformar contratos programa em contratos de concessão de forma automática, apenas com o aval do titular do serviço, é desprezar todo conjunto de premissas destacadas anteriormente”, repudia.

“Outro ponto negativo: trata-se de uma faca no pescoço para os prefeitos, pois determina que, caso o prefeito não aceite os termos que transformam contratos programa em contratos de concessão de forma automática, terá que operar os serviços pagando previamente os ativos não amortizados, ou seja, o gestor público não terá outra alternativa a não ser submeter-se à proposta como ela se apresenta”, protesta a Abes.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Fábio Giori , quarta, 15 de maio de 2019

    Perfeita as ponderações presentes na ADI. Parabéns Hélder Salomão pela postura e compromisso em defesa dos interesses da sociedade. Essa MP é irresponsável e absurda. Hoje a participação da iniciativa privada já está garantida no setor, podemos ver as terceirizações e as PPP's da Cesan e a privatização como no caso de Cachoeiro. O que está se buscando aprovar é a entrega do patrimônio público a iniciativa privada, além de permitir a privatização dos municípios superavitários e a estatização dos municípios deficitários. No final é a população que vai pagar o pato. #NãoaMPdaSedeedaContaAlta #naoaMP868

Matérias Relacionadas

Famoc completa 33 anos de luta em Cariacica

Dauri Correia, presidente da entidade que reúne 42 associações de moradores, critica gestão de Juninho

Demarcação de Terras Indígenas pela Agricultura é vetada no STF

Ministro Barroso alegou inconstitucionalidade na reedição da MP por Bolsonaro numa mesma legislatura

Helder Salomão quer acabar com aposentadoria especial para congressistas

Deputado capixaba apresentou projeto de lei para extinguir plano que garante benefícios acima do teto

Conta de água mais cara com MP do Saneamento é motivo de alerta à população

Sindaema pede pressão popular a deputados para votarem não à MP, que perde validade no dia 3