MPF é acionado para suspender desinterdição da Vale

ONG requer retomada da interdição até assinatura de um novo acordo, com participação da sociedade civil

O Termo de Desinterdição Condicionada (TDC) nº 001/2019, concedido à Vale S/A pela Prefeitura Municipal de Vitória (PMV) deve ser suspenso, com a retomada da paralisação das áreas interditadas pelo Município no início de fevereiro, até a assinatura de um novo Termo de Compromisso Ambiental (TCA), com participação da sociedade civil. Esse é o pedido feito pela ONG Juntos SOS ES Ambiental ao procurador-chefe do Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES), Paulo Augusto Guaresqui.

A entidade requer ainda que um novo TCA receba parecer da Procuradora Geral do Município (PGM) e que seja aberto inquérito administrativo para apurar possível improbidade administrativa, visto que o TDC foi assinado por servidores da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), e não pelo secretário ou subsecretário – Luiz Emanoel Zouain da Rocha e Ademir Barbosa Filho, respectivamente – como determina a legislação municipal.

Presidente da Juntos SOS, e membro do Conselho Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Consema),  Eraylton Moreschi já havia encaminhado um requerimento ao prefeito da capital, Luciano Rezende (PPS), com pedido de nulidade do termo, “pois não teremos garantia alguma de que a empresa Vale irá cumprir com o que foi pactuado neste termo, [considerando] seu histórico de descumprimentos de condicionantes e TCAS [Termos de Compromisso Ambiental]”, justifica.

O requerimento também traz doze questionamentos sobre a medida, referentes ao prazo que a empresa recebeu para regularizar os problemas que foram o motivo da interdição e às garantias de abastecimento da população em caso de futura crise hídrica, e ainda sobre servidores que irão acompanhar o cumprimento do Termo e o comunicado às Polícias Civil e Federal em relação à decisão de desinterditar.

Rejeito

A interdição de três áreas da Vale e a emissão de multa de R$ 35 milhões aconteceu no final da tarde do último dia sete de fevereiro, após a fiscalização municipal detectar vazamento de rejeitos industriais no mar.

Seis dias depois, a mesma Prefeitura libera o funcionamento das áreas interditadas por meio do TDC 0001/201, o qual, estabelece algumas obrigações a serem cumpridas pela poluidora. Entre eles, a ampliação da reservação dos efluentes líquidos – de 2,8 mil m³ para 14,8 mil m³ – a instalação de uma rede de monitoramento da qualidade do ar de Vitória e identificação do DNA da poeira sedimentável (pó preto), dentre outras obrigações, como compra de equipamentos.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Exposição de fotos registra pó preto na Praia de Camburi

"Quanto vale ou é em pó", de Zélia Siqueira, será inaugurada dia 17 na Biblioteca Central da Ufes

Comunidades do Rio Doce ainda aguardam homologação de assessorias para reparação

Entidades da área jurídica entregaram carta a governadores de MG e ES cobrando gestão participativa

Manifestantes que participaram de protesto contra a Vale são inocentados

Em ação movida pela empresa, Justiça reconheceu que manifestantes exerceram seu direito constitucional

Atingidos por barragens precisam de política de proteção

Inspirada na Política Nacional em construção Plano Estadual irá resguardar direitos dos atingidos