Municípios do Caparaó ainda sem data para iniciar licenciamento ambiental

Grupo de oito municípios está com processo parado devido a mudanças na gestão do Consórcio Caparaó

Um novo grupo de municípios capixabas reunidos para realizarem seus licenciamentos ambientais na região do Caparaó está com o processo de viabilização do licenciamento paralisado momentaneamente, sem previsão para iniciar as atividades.

O motivo, segundo a secretária municipal de Meio Ambiente de Divino de São Lourenço, Paula Combas, são as mudanças na gestão do Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Região do Caparaó.

O presidente reeleito no início de abri é o prefeito de Ibatiba, Luciano Pingo (MDB), que destituiu a equipe executiva e ainda não nomeou novos nomes para os cargos.

“O prefeito é um atraso para o processo de licenciamento ambiental da região”, afirma a secretária, cujo município irá sediar a sede do grupo, inicialmente prevista para o Polo de Educação Ambiental do Consórcio Caparaó, em Patrimônio da Penha, onde obras de reforma preparam o local, há meses, para a nova função regional.

“O retrocesso de todo esse trabalho, que já vem de muito tempo, de cursos, de capacitações, de reuniões que as equipe técnicas estavam fazendo junto ao Consórcio, é devido à atuação do atual presidente, e está impactando a vida do produtor rural nesses municípios”, avalia a secretária.

Além de Divino e Ibatiba, formam o grupo do licenciamento os municípios de Guaçuí, Ibitirama, Irupi, Jerônimo Monteiro e São José do Calçado, que formam o entorno direto e indireto do Parque Nacional do Caparaó e integram o Consórcio Caparaó, e Bom Jesus do Norte, na divisa com o Rio de Janeiro. Desses, metade possui secretarias de meio ambiente.

Os demais municípios do entorno e do Consórcio Intermunicipal – Alegre, Dores do Rio Preto, Muniz Freire e Iúna – já realizam licenciamentos ambientais individualmente.

Segundo o arranjo construído pelos oito municípios, o Consórcio será um braço do licenciamento e irá contratar um corpo técnico exclusivo para isso, a princípio, com três técnicos fixos, além de outros que possam ser contratados pontualmente, para necessidades específicas.

Agilidade

Se para o governo estadual e o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) o licenciamento municipal representa um desafogamento de atribuições, para os municípios pode representar mais agilidade e qualidade. Quando reunidos em grupos como o do Caparaó, há ainda a redução dos custos.

Paula afirma que o licenciamento ambiental, mesmo para empreendimentos de baixo impacto ambiental, como incentivado pelo Estado – Resolução Normativa do Conselho Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Consema nº 01/2018) – é muito caro para municípios pequenos como o seu, com menos de cinco mil habitantes.

O custo mensal seria de no mínimo R$ 50 mil, enquanto, via consórcio, a contribuição mensal de Divino para a atividade será de menos de R$ 1 mil. “A contribuição de cada um é definida pelo número de habitantes”, informa.

Assim que instalado, o licenciamento vai seguir o seguinte rito: o munícipe dá entrada no processo na prefeitura, cuja Secretaria de Meio Ambiente faz a primeira análise do processo, o check list de documentos. Estando tudo certo, segue para o Consórcio, onde o corpo técnico faz as vistorias e emite os laudos técnicos, que são encaminhados para a Secretaria. Nessa segunda análise, havendo alguma dúvida ou discordância, Prefeitura e Consórcio se reúnem até chegarem em um consenso para emissão ou não da licença.

Apoio

Em seu site, o Iema destaca que o licenciamento ambiental é um instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente – Lei nº 6.938/1981 – que tem como principal função a conciliação do desenvolvimento econômico com a sustentabilidade.

Pelo menos 40 municípios já o realizam, alguns em forma de consórcio como o pretendido no Caparaó, como é o caso do Consórcio Público Rio Guandu, que reúne os municípios de Brejetuba, Conceição do Castelo, Baixo Guandu, Laranja da Terra e Itaguaçu.

Para apoiar a municipalização da gestão ambiental, o Iema criou, em 2008, o Núcleo de Apoio às Políticas Municipais de Meio Ambiente (NAPMMA), que tem como principal foco o licenciamento e a fiscalização.

A Resolução 01/2018 do Consema lista cerca de 200 atividades a serem licenciadas em nível municipal. Na região do Caparaó, destaque para as atividades no meio rural, como carreamentos, despolpadoras e secadoras, além de postos de gasolina.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Patrimônio da Penha terá festival de música no feriado

Show de retorno da banda Pó de Ser Emoriô é uma das 10 atrações nos dois dias de atividades no Caparaó

Comissão da Secont nega recursos de ONG sobre falta de transparência do Iema

Vinculada à Secretaria de Edmar Camata, CMRI considerou satisfatórias respostas do órgão ambiental

Rock in Doce fará tributo musical ao Rio Doce em Baixo Guandu

Coluna CulturArte: Dead Fish será atração de festival, edital da Secult, cinema brasileiro em cartaz

Festa da Integração reúne grupos de cultura popular no Caparaó

Evento busca integrar comunidade de Patrimônio da Penha e valorizar as tradições culturais do Estado