Músicos questionam possível diminuição de recurso em edital da Secult

Secretário Fabricio Noronha alega que as conversas são preliminares e que recursos serão mantidos

Representantes do setor de música do Espírito Santo convocaram uma reunião da Câmara de Música para próxima segunda-feira (26). O motivo é a preocupação com a proposta da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) de destinar um montante que representaria a redução de R$ 463 mil do valor total, além da unificação dos três editais existentes para o setor em um só. 

O secretário da pasta, Fabrício Noronha, alegou que se trata de uma discussão preliminar que está sendo feita com todas as Câmaras que compõem o Conselho de Cultural. “Não é nada imposto, nada definitivo. O momento inclusive é desse diálogo. Mas pegaram essa discussão e levaram como se fosse definitivo”, questionou.

O conselheiro Daniel Morelo explicou que foi realizada na quarta-feira semana passada (14) uma reunião da Câmara de Música com a subsecretária Carolina Ruas na qual a proposta foi apresentada. Entre outras coisas discutidas, apresentou-se a sugestão de reunir os três editais atuais de música em apenas um edital-padrão com três grandes categorias, com o argumento de que assim se poderia aproveitar uma possível sobra de recursos caso uma categoria não consiga preencher o número total de prêmios, podendo essa sobra ser remanejada para outra categoria do mesmo edital de acordo com a demanda.

Outra sugestão foi relacionada com o teto de valor para os prêmios. Mas chamou a atenção de imediato dos conselheiros a proposta que concederia ao edital o montante de R$ 900 mil, quando no ano passado os três editais do setor somaram R$ 1,363 milhão. “Podemos discutir essas outras questões, mas com esse valor não dá, não tem como começar diálogo em cima disso. Precisamos que enviem um valor melhor para começar a discutir com a classe”, alegou Daniel Morelo.

Isso porque após a reunião da semana passada, a proposta reenviada pela Secult esta semana foi a mesma, o que levou os representantes a mobilizar a classe dos músicos em torno da questão, criando inclusive um abaixo assinado online. “Quando eles falam que estão abertos ao diálogo, é um diálogo em que eles falam e não ouvem o que dizemos e impõem a vontade deles”, criticou.

Fabricio Noronha disse que as propostas estão sendo dialogadas com todas as câmaras numa dinâmica aberta, recebendo contribuições de cada uma, contando com prazo para recebê-las. “Já recebemos algumas ‘contrapropostas’ de algumas câmaras e estamos totalmente abertos. A Câmara de Música fez um abaixo-assinado pedindo mais tempo pra discutir sem ao menos nos solicitar mais prazo, nem formal, nem informalmente”, afirmou.

O secretário informou que as propostas finais serão levadas para o plenário do Conselho de Cultura, com a expectativa de que não haja diminuição do recurso em relação do ano passado. “Inclusive nosso reiterado compromisso foi em trabalhar pra manter pelo menos os valores do ano passado”.

A reunião da Câmara de Música na próxima segunda-feira será às 18h30 na sala 4 do Cemuni V, na Ufes em Goiabeiras.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

No 'underground', Revirada Cultural vai 'aquecer' para o Viradão Vitória

A Banca Bicho Solto é uma das quase 30 atrações do evento que acontece dia dia 27 na Casa da Barão

Festa da Integração reúne grupos de cultura popular no Caparaó

Evento busca integrar comunidade de Patrimônio da Penha e valorizar as tradições culturais do Estado

Encontro de Folia de Reis ainda não tem data para edição 2019

Coluna CulturArte: ES na TV Cultura, navio-livraria em Vitória, novo disco de Macacko, 40 anos de ateliê

Em novo local, Movimento Samba Novo apresenta canções inéditas

Articulando compositores capixabas, MSN chega à marca de 80 novos sambas lançados para o público