Na mira

Contarato tenta se livrar de mais uma fake news. Nas últimas eleições conseguiu, agora, o teste é outro

Crítico de várias medidas do governo Jair Bolsonaro, o senador Fabiano Contarato (Rede) é alvo constante das redes sociais, conhecido campo de apoio ao presidente desde as eleições do ano passado. Não costuma reagir oficialmente, mas desta vez resolver fazê-lo, assim como na reta final da campanha eleitoral, quando foi vítima de acusações pesadas para manchar sua imagem. Ele denunciou, nesta quinta-feira (6), a disseminação de uma fake news enviada pelo WhatsApp que o acusa de se ausentar de votações importantes no Senado e, de novo, de ser o “Jean Wyllys capixaba”. Uma dessas ausências seria a votação da Medida Provisória (MP) 870, da reforma administrativa, e outra também “importante”, embora sequer haja especificação no material, para participar de “seminário LGBT na Colômbia”. As partes do Jean Wyllys e do seminário foram ignorados pelo senador – nem vale a fadiga, mesmo -, mas a votação da MP 870, não. Contarato rebateu afirmando que participou da sessão e votou a favor da proposta e que o projeto que de fato se ausentou, do “pente-fino no INSS”, chegou à Casa somente depois que ele havia se comprometido com a missão oficial - e sem custos - à Alemanha, como presidente da Comissão de Meio Ambiente. “De modo mal intencionado, estão distorcendo a relevância da viagem”, completou. Mexendo em assuntos que são bandeiras de Bolsonaro e com reações um tanto radicais da população, como o decreto de armas, reforma da Previdência, radares de trânsito e Educação, não restam dúvidas de que Contarato vai demorar a sair desse raio  dos operadores da máquina de notícias falsas. Nas eleições passadas, não colou e ele foi o campeão de votos, desbancando figurões da política do Estado. Agora e nos próximos anos, porém, o teste é outro.

Passado próximo
Na reta final da campanha de 2018, quando as pesquisas já sinalizavam para vitória de virada de Contarato, começou a circular pelas redes sociais e grupos de WhatsApp um material que o comparava ao ainda deputado federal Jean Wyllys(Psol-RJ), apelando para a ideologia de gênero, “Kit gay”, legalização do aborto e mudança de sexo. Pior ainda: assuntos da vida pessoal de Contarato. 

Passado próximo II
Mesmo com base em um discurso que se consolidou nas eleições, Contarato saiu ileso do ataque e disparou nas urnas, com mais de 1 milhão de votos, deixando bem pra trás Magno Malta (PR) e Ricardo Ferraço (PSDB).

Por falar nisso...
...Magno não sai de cena, divulgando palestras, suplementos, participação em programas do amigo Ratinho, Marchas de Jesus, e o que mais aparecer pela frente. Já Ricardo, está sumido, sumido. 

Guerra virtual
Voltando em Jean Wyllys, a publicação da deputada estadual Iriny Lopes (PT) em seu Facebook, comunicando da sua proposta de concessão do título de cidadão espírito-santense ao ex-deputado federal e ao líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stélide, provocou um burburinho só. Em um dia, mais de 300 comentários e 53 compartilhamentos.

Ah, tá!
Aí, alguns deputados já correram para a imprensa e para a internet dizendo que vão tentar barrar a iniciativa. Entre eles, Lorenzo Pazolini (sem partido), que articulou nada menos do que a concessão da maior honraria da Assembleia à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e ainda deu piti com o protesto legítimo que a recepcionou para manifestar repúdio ao tanto de barbaridade que fala. 

Ah, tá II!
Outro contrário, claro, é o Capitão Assumção (PSL), que aprovou três projetos de sua autoria para conceder o mesmo título de cidadão espírito-santense ao presidente Jair Bolsonaro e aos ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Ernesto Henrique Fraga Araújo (Relações Exteriores). Faço questão de repetir as justificativas...

Ah, tá III!
...“o presidente se apresenta como defensor dos valores familiares”; Moro “um guerreiro que luta com afinco contra a corrupção”; e Ernesto Araújo “por suas convicções, posicionamento e atuação que resultarão na reconquista do Brasil para os brasileiros e de recuperar o papel do Itamaraty como guardião da continuidade da memória brasileira”. 

Baixas
Com o caso desta quinta-feira (6) do vereador de Ecoporanga, Robério Pinheiros Rodrigues, já são dois quadros do PSDB presos nas recentes operações deflagradas pelo Ministério Público Estadual (MPES) por irregularidades em licitações. A primeira foi a prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Rangel Quinta, ainda presa. “Tá” dureza pro ninho tucano, hein...

Baixas II
Sobre Amanda, que fazia parte até da executiva estadual, o partido comandado pelo deputado estadual Vandinho Leite abriu processo para expulsá-la. E o vereador, vai no fluxo?

PENSAMENTO:
“Ninguém é mau, e quanto mal foi feito”. Victor Hugo

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Ministério de Damares corta recursos de mecanismo que combate a tortura 

Ministra impede que peritos, que estão há dois meses sem receber, acessem local de trabalho livremente

MDB Nacional intervém no Estado e suspende eleições partidárias de domingo

Decisão atende a requerimento de Lelo, que acusa máquina estadual de atuar em favor de Marcelino

2x1

Do Val apelou, mas não convenceu nem a bancada. Rose e Contarato não rezam a cartilha das armas

Justiça determina publicação imediata de edital das eleições do MDB de Vitória

Decisão foi lida em plenário pelo deputado José Esmeraldo, que moveu processo contra grupo de Lelo Coimbra