Nada mudou?

Governo x frente: após interlocução (Da Vitória, Do Val e Quintino) um exalta avanços, outro o contrário

Em meio a polêmicas e divisões na área, postagens semelhantes nas redes sociais nesta quinta-feira (27) logo chamaram a atenção. Tratava-se de uma foto do deputado federal Da Vitória (Cidadania), do senador Marcos do Val (Podemos) e do deputado estadual coronel Alexandre Quintino (PSL), com um resumo bem resumo do ponto de pauta: no Palácio Anchieta, debatendo a Segurança Pública. As internas do encontro vieram à tona depois: mais uma interlocução em relação à proposta de reajuste apresentada pelo governo Renato Casagrande, rejeitada pela frente unificada que reúne militares, civis e bombeiros. Integrantes do grupo sentaram-se à mesa com representantes de secretarias estaduais, mas a negociação novamente não andou, como afirmou a frente em nota. Ou seja, está mantida a proposta de 4% anuais até 2022, além da reposição inflacionária, que em dezembro de 2019 foi de 3,5%, o que soma quase 30% ao final. Diante do resultado, a frente decidiu submeter a questão a mais uma assembleia geral marcada para o próximo dia cinco, mas já avisa: permanece a mobilização, até a "concretização de percentuais e garantias que atendam às reivindicações". Duas semanas depois de protesto e ânimos exaltados, com um Carnaval no meio, o grupo ressalta que nada mudou em relação ao principal pleito das categorias. Nada mesmo?

'Avanços importantes'
O secretário de Governo, Tyago Hoffmann, ao contrário, apareceu em vídeo nas redes sociais exaltando "avanços importantes" na negociação. São três pontos: antecipação da incorporação da escala de soldados a tenente de 2021 para julho deste ano; pagamento dos primeiros 4% em abril ao invés de julho próximo; e mais 4% de reajuste para categorias de soldados, que têm um dos piores salários do Brasil e precisa de valorização, como admitiu o secretário - em dezembro de 2018, fim do governo passado, o salário era de R$ 2,7 mil e passará a quase R$ 4 mil. 

Desfecho
Hoffmann disse, ainda, que as negociações serão retomadas na próxima segunda-feira (2), para encerrar de vez o capítulo das forças de segurança pública no Estado.

Tudo igual II
A proposta da frente unificada levada ao governo nesta quinta foi construída com Marcos do Val após o próprio ter procurado a frente na última semana. Esta, segundo o grupo, sequer foi analisada. Aliás, tanto o senador como Da Vitória estrearam no caso. Demoraram, hein?!

Tudo igual III
Já Quintino é ligado ao executivo e tem passe livre por lá. O mesmo não se pode dizer dos deputados de oposição que vem gerando desgaste ao governo e foram barrados na reunião passada com a frente, Capitão Assumção (PSL) e delegado Lorenzo Pazolini (sem partido).

Corporativismo
Por falar em Assumção, ele publicou nas redes sociais depois do presentão que recebeu dos colegas da Corregedoria da Assembleia na investigação de incitação ao crime feita em discurso no plenário: “a Justiça foi feita. Continuo defendendo a voz do povo: bandido bom é bandido morto”. A Justiça foi feita...sei!

Palanque
Atuante em eleições, o que sempre rendeu críticas, a Convenção das Assembleias de Deus do Estado (Cadeeso) iniciou cedo as articulações para a disputa deste ano. Agora, começa a oficializar seus apoios. O deputado estadual Euclério Sampaio (DEM), que sempre acenou para a entidade e sempre realiza homenagens-oba-oba na Assembleia, anunciou que teve seu nome homologado, por unanimidade, como representante da Cadeeso. 

Palanque II
Euclério pavimenta seu palanque a prefeito em Cariacica, onde o cenário ainda está congestionado. No final de 2019, o deputado já aparecia numa negociação como cabeça de chapa em composição com a pré-candidata apresentada pela Cadeeso, Danyele Lírio. De lá pra cá, Euclério se filiou ao DEM, intensificou suas andanças pelo município, e continua “junto e misturado” à Convenção, que reúne no Estado um eleitorado em potencial de mais de 500 mil votos.

Garoto-propaganda
Carlos Manato segue nas mobilizações para o I Encontro do Aliança pelo Brasil no Estado, que será realizado neste sábado (29), às 10 horas, no Centro de Convenções de Vitória. Na falta de uma “visita ilustre” (entre aspas, mesmo!) no evento, leia-se integrantes da família Bolsonaro, gravou vídeo com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, convocando os capixabas. 

Segue...
O ato é mais um para reunir assinaturas à criação do partido idealizado pelo presidente depois da guerra instalada no PSL, de onde Manato já saiu. Recentemente, foi realizado outro evento desse em Cachoeiro de Itapemirim.

Inexplicável
No Carnaval de rua da Capital, a ideia de só fechar o trânsito na beira-mar parecia excelente. Só parecia. As obras e seus desvios em ruas pra lá de estreitas na avenida Vitória fizeram engarrafamentos enormes no retorno para casa dos foliões. Difícil de entender uma estratégia dessa.

Vitrine
A propósito, o prefeito Luciano Rezende (Cidadania), como sempre, desfilou pelo Centro ao lado da mulher Marina. Outra figura repetida por lá foi o vereador de Vitória Vinícius Simões (Cidadania). Quem esbarrou em mais políticos, mande aí um alô pra coluna!

PENSAMENTO:
“Não se pode manter a paz pela força, mas sim pela concórdia”. Albert Einstein

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Majeski faz indicações de apoio financeiro para áreas afetadas pelo coronavírus

Propostas são para estudantes, famílias de baixa renda, pequenos empresários e produtores rurais

ES registra 40 casos de Covid-19 e fará barreiras nas BRs 101 e 262

Medida vale a partir desta quarta. Maioria dos casos anunciados pelo governo é de viagens ao exterior

Projeto que decreta calamidade pública no Estado será votado nesta sexta-feira

Deputado Erick Musso marcou para às 10h primeira sessão virtual da história da Assembleia

Brigadas Populares apresentam propostas ao governo do Estado

Movimento político e social propõe quatro medidas em diversos setores para enfrentar crise do coronavírus