‘Não sentamos com a Frente e não sentaremos’, afirma secretário Tyago Hoffmann

Governo recebeu contraproposta de reajuste das associações de militares e responderá depois do Carnaval

“Não sentamos com a Frente nessa reunião e não sentaremos. Recebemos única e exclusivamente as entidades militares”. A fala, do secretário de Estado de Governo (SEG), Tyago Hoffmann, refere-se à reunião realizada na noite desta quinta-feira (13) no Palácio da Fonte Grande, no Centro de Vitória, entre representantes do governo do Estado e as entidades representativas dos policiais e bombeiros militares. 

O objetivo foi conhecer a posição das entidades para o reajuste salarial em negociação para todas as categorias da segurança pública capixaba. “A reunião foi de retorno, para as entidades apresentarem sua contraproposta após a reunião que tivemos, com as mesmas entidades, na sexta-feira [7]”, explica o secretário.

A contraproposta será analisado pelas equipes técnicas das secretarias de Gestão e Planejamento. O retorno, estima Tyago Hoffmann, deve acontecer depois do Carnaval. 

Após quatro anos de ausência absoluta de diálogo com o governador anterior, Paulo Hartung, a gestão de Renato Casagrande abriu a mesa de negociação, propondo reajuste anual de 4% pelos próximos três anos, mais três reposições da inflação, que em dezembro de 2019 foi de 3,5%. 

Aceitaram os valores três sindicatos: dos Policiais Civis, dos agentes socioeducativos e dos inspetores penitenciários (Sindipol, Sinases e Sindaspes). Já as entidades representativas dos policiais e bombeiros militares, além de delegados e investigadores de polícia, não aceitam os percentuais e exigem, no mínimo, 12% ao ano até 2022, totalizando pelo menos 36%, fora a reposição inflacionária. 

Reunidos na chamada Frente Unificada pela Valorização Salarial dos Policiais Militares, Policiais Civis e Bombeiros Militares, dois sindicatos e seis associações tentaram ser recebidos na Fonte Grande nesta quinta-feira, mas apenas os representantes das cinco associações de policiais e bombeiros conseguiram entregar a contraproposta. São elas: Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado (Aspomires); Associação dos Bombeiros Militares do Estado (ABMES); Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar (ACSPMBMES); Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar (Asses); e Associação dos Oficiais da Polícia Militar (Assomes).

'Não houve reunião'

Do lado de fora do Palácio, em um carro de som, o Coronel Marco Aurelio Capita, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar (Assomes), após sair da reunião com os secretários e demais militares, falou aos manifestantes que aguardavam em vigília. “Não houve reunião!”, afirmou, explicando que, na impossibilidade de todos da Frente serem recebidos pelo governo, os miliares apenas entregaram a contraproposta aos secretários e aguardam o retorno.

Na manhã desta sexta-feira (14), adiantou, postura semelhante deve ser adotada pelos delegados, durante reunião do secretariado com o Conselho de Polícia Civil. “Eles não devem nos receber também, então os delegados não farão reunião, apenas vão entregar a proposta, que é a mesma", expôs. 

“O Conselho de Polícia não é entidade policial. É uma entidade de Estado, de governo, onde todos os delegados recebem gratificação para participar. Não podem exigir que a Frente participe”, afirmou Tyago Hoffmann, repetindo: “o governo não negocia com a Frente. Respeitamos e reconhecemos a Frente como uma estratégia de negociação interna das entidades. Não vamos intervir nessa estratégia, mas eles não podem obrigar o governo a negociar com eles”, pontuou.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Forken , sexta, 14 de fevereiro de 2020

    Por isso que sindicatos tem que acabar. Bolsonaro fez certo. Sindicatos servem mamar do dinheiro dos trabalhadores e sentar na mesa com o executivo, levarem vantagens extra-oficiais e acalmar os animos. Professores e Saúde estão caladinhos. Alguém duvida que tem gente ganhando um cala-boca?

Matérias Relacionadas

‘Concurso é questão de sobrevivência’, diz presidente do Sindipúblicos

Tadeu Guerzet estima a demanda em 20 mil vagas. ‘Todo serviço de balcão hoje é feito por terceirizadas’

‘Há diferenças abissais entre 2020 e fevereiro de 2017’, compara secretário

Tyago Hoffmann ressalta que o governo agora negocia. ‘Temos a maior proposta de reajuste salarial do país'

Ato da Frente Unificada mantém vigília em reunião do governo com entidades

Em passeata, manifestantes seguiram até o Palácio da Fonte Grande, onde aguardam nova proposta de reajuste

Policiais e bombeiros mantêm mobilização e cobram reunião com o governo

Sindepes e Adepol anunciam instaurar investigação sobre conduta do delegado-geral José Darcy Arruda