Nenhum feminicídio pode ficar sem resposta

Mulheres de Guarapari se unem mais uma vez para se manifestar contra crimes contra mulheres no município

Fotos: Divulgação/ Coletivo Mulheres que Lutam

Há anos, o Espírito Santo vêm aparecendo entre os estados líderes nas estatísticas de violência contra mulher e feminicídios, assassinatos de mulheres por conta de sua condição de gênero. Ao longo do ano, nos acostumamos a ler diversas notícias destes crimes, que, por vezes, colocam o Estado no noticiário nacional pela gravidade e crueldade de atos violentos contra mulheres.

Nesta segunda-feira, moradoras de Guarapari saíram às ruas para protestar contra mais um assassinato, ocorrido na última semana. A balconista Shirley Simões foi morta a tiros pelo ex-companheiro, preso no dia seguinte pela polícia. Não foi a primeira vez que a população do município foi às ruas contra o feminicídio. No ano passado, a Vigília Feminista aconteceu para manifestar a insatisfação com a morte de Maria da Conceição Bispo dos Santos, cantora gospel que utilizava o nome artístico de Ceissa Moreno.

A cantora também teve seu nome lembrado junto ao de Shirley e de Marinalva Castro Santos, outra mulher vítima de feminicídio no ano passado no município. 

O ato aconteceu no início da noite saindo da ponte de Guarapari, que chegou a ser fechada por alguns instantes em protesto, no qual as manifestantes traziam uma grande faixa e vários pequenos cartazes para enviar sua mensagem à população. Participaram familiares de Shirley e também seu ex-marido de uma relação anterior e a filha de oito anos que perdeu a mãe.

A ação seguiu pelas ruas e terminou na Praia do Morro, de frente para o mar, onde foi feita uma roda de encerramento. Apesar do pouco tempo de divulgação, o ato reuniu cerca de 30 pessoas diretamente envolvidas, um número que parece modesto mas que pode ser considerado significativo em municípios de médio porte, com perfil mais conservador e pouca tradição de manifestações públicas nos últimos tempos como Guarapari.

A mobilização foi feita a partir da convocação do Coletivo Feminista Mulheres que Lutam, que vem atuando nos últimos anos em Guarapari com manifestações e evento de fortalecimento das mulheres no âmbito político, pessoal e profissional.

O pedido das mulheres, que deve se estender também para os homens, é de criação e fortalecimento das políticas públicas de enfrentamento ao feminicídio. "Esse ato não deveria ter acontecido, mas houve a necessidade de acontecer", disse a advogada Elisa O'Neill, indignado com o fato deste tipo de crime continuar ocorrendo. Segundo ela, há necessidade de casa de acolhimento e de medidas de apoio para ajudar mulheres em situação de vulnerabilidade diante de ameaças e violências. Dias antes do crime, a própria Shirley havia entrado com ação pedindo medidas protetivas contra o ex-companheiro que terminou tirando sua vida.

"Acontece muito descaso das autoridades, da própria política. Dentro de nosso grupo de mulheres temos relatos disso. O que nos resta é esse cuidado mútuo de mulher para mulher, a gente se cuida entre nós porque o Estado não garante nossa sobrevivência", diz.

Os avanços legais são evidentes, sobretudo a partir da tipificação do crime de feminicídio no Código Penal em 2015, resultado também da luta das mulheres no âmbito institucional e nas ruas. O combate à violência é um tema recorrente nos diversos eventos, publicações e manifestações do movimento feminista, incluindo nas marchas de 8 de Março convocadas pelo Fórum de Mulheres do Espírito Santo.

As mulheres tentam responder de todas maneiras à violência que pode significar o fim de suas próprias vidas. "O assassinato é uma última instância, geralmente acontecem muitas outras violências antes", lembra Elisa. Apesar da presença de familiares de Shirley, a maioria das presentes não a conheceu pessoalmente. "A luta é por todas mulheres, por qualquer uma delas. Toda mulher que morre é um pouquinho de nós que morre também", desabafa a advogada.

Que nenhum feminicídio fique sem resposta. Nem do Estado e nem da sociedade.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Vitória inaugura Centro de Referência para Pessoas Trans

Iniciativa da Associação GOLD vai funcionar a partir da próxima semana no Centro de Vitória

Atos contra a intolerância religiosa no ES são realizados em Vitória e Serra 

No Brasil, representantes de 11 religiões convocam atos por Estado laico em várias cidades 

Atingidos capixabas participam de marcha nacional a Brumadinho

São seis dias de caminhada saindo de Belo Horizonte para denunciar um ano do crime socioambiental da Vale

Uma xamã no exílio

Em Aracruz, Kuña Jekoaku foge de conflitos agrários e intolerância religiosa da fronteira com Paraguai