'No crime da Samarco, atuação da Fundação Renova é uma grande mentira'

Prefeito de Baixo Guandu, Neto Barros, fala sobre o crime da Samarco/Vale-BHP, até hoje impune

 


Prefeito de um dos municípios mais atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP no Espírito Santo, Neto Barros (PCdoB) fala sobre o impacto na economia e os danos ambientais e sociais causados pelo rompimento da barragem de Mariana (MG), em 2015, crime que matou 19 pessoas e segue impune, quatro anos depois.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Creusa Fernandes Almeida , segunda, 04 de novembro de 2019

    Infelizmente essa é a realidade de territórios atingidos, embora a fundação renova criada para reparar danos, está causando danos maiores às populações, que hoje sem a ajuda do Rio Doce, não conseguem pagar suas dívidas e sustentar suas casas, e,a fundação renova insisti em dizer que está trabalhando para reparar, mas é só fazer uma fiscalização e tirar de tal, as conclusões devidas sobre tanto descaso e falta de humanidade

Matérias Relacionadas

Atingidos pela Samarco realizam Feira Popular de Saúde

Debates, ato político e atendimentos acontecem em Baixo Guandu, em paralelo com Festival Rock In Doce

‘Menos de 10% dos atingidos foram reconhecidos’, diz prefeito de Baixo Guandu

Em reunião do CIF, Neto Barros defende indenização de toda população dos municípios banhados pelo Rio Doce

Rock in Doce fará tributo musical ao Rio Doce em Baixo Guandu

Coluna CulturArte: Dead Fish será atração de festival, edital da Secult, cinema brasileiro em cartaz

Baixo Guandu cria comissão para evitar demolição de prédio da delegacia

Justiça atendeu ao pedido do DNIT, que reivindica parte do terreno onde a obra de R$ 2 milhões foi erguida