No quilombo, jovens negros se articulam para desafios do campo e cidade

Encontro Estadual da Juventude Negra aconteceu em Itapemirim, reunindo cerca de 200 participantes

O quilombo de Graúna, no município de Itapemirim (sul do Estado), recebeu no último fim de semana o IV Encontro Estadual da Juventude Negra, primeiro depois da reativação do Fórum Estadual da Juventude Negra (Fejunes) no ano passado. Cerca de 200 jovens de vários municípios do Espírito Santo participaram das atividades, que incluíram formação e também decisões para ações do Fórum.

O encontro marca um importante momento de fortalecimento do Fejunes, que em sua reestruturação já está presente em 11 municípios. A escolha do quilombo como local também tem um significado simbólico e político, buscando conectar as juventudes do campo e da cidade nos processos de resistência.

"Existe uma sede de informação e de formação da juventude para transformação social", considera Crislayne Zeferina, presidente do Fejunes. O resultado da imersão no sul do Estado levou à percepção da importância de estar presente na região, que a despeito do imaginário social capixaba, possui grande presença de população negra.

O jovem Thiago de Oliveira Silva, de 19 anos, é um dos que participou do encontro estadual. Morador de Cachoeiro de Itapemirim, ele está ajudando a levar o Fejunes para o município e aprovou os dias de troca e aprendizado com jovens de outros municípios. "Foi uma experiência nova para mim. Já havia estado em comunidades quilombolas e em cursos de formação, mas o estilo desse encontro foi diferente, foi muito bom. Pude conhecer bastante gente e aprender muitas coisas tanto de história como de direitos, sobretudo em relação a nós, negros", afirmou.

Temas como identidade, segurança pública, história e ancestralidade fizeram parte da programação entre rodas de conversa e oficinas práticas. Ao fortalecer os diálogos e as articulações entre jovens negros, o encontro serve de impulso para as atividades que prometem uma agenda cheia para o Fejunes no segundo semestre de 2019.

Além de projetos já em vigência, como o Periferia Sobrevive, o fórum realiza em 20 de novembro uma de suas principais atividades, que é a Marcha Estadual da Juventude Negra. Também em novembro acontece o evento Parem de Nos Matar, que este ano será em São Mateus. Outra construção é o I Seminário Estadual de Saúde para a Juventude Negra.

Segundo Crislayne, a partir do final de agosto, o Fejunes deve lançar uma chamada para os demais movimentos sociais construírem conjuntamente essas ações com o Fejunes.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Trabalho comunitário reverteu estigmas e criou Território do Bem

União de bairros periféricos de Vitória virou referência em planejamento e ações coletivas

Diversas etnias se unem pela regeneração do Rio Doce no Encontro Ancestral

Evento acontece de 1 a 3 de novembro na comunidade de Areal e está com inscrições abertas

Pescadores capixabas levam denúncias a entidades de sete países

Intercâmbio da Campanha Nem Um Poço a Mais na Bahia apontou impactos da exploração de petróleo

TST julga dissídio coletivo dos Correios e aprova reajuste de 3%

Decisão da corte superior ocorre após paralisação da categoria em todo o País, incluindo no Estado