Óleo no Espírito Santo: comitê de crise fecha a foz do Riacho Doce

Medida preventiva ocorre na localidade turística que é divisa da Bahia com o Estado

O Gabinete da Gestão da Crise, relativa ao óleo que tem avançado do Nordeste brasileiro em direção à costa capixaba, realizou o fechamento da foz do Riacho Doce, que marca a divisa entre os estados da Bahia e Espírito Santo no litoral. 



O dique foi feito na manhã dessa quarta-feira (6), com sacos de areia e sedimentos, para impedir que o óleo avance sobre o corpo d' água, caso chegue ao Estado. 

A operação envolveu a Prefeitura de Conceição da Barra, o Parque Estadual de Itaúnas (PEI), o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e voluntários, sob a supervisão da Marinha do Brasil.

“A Foz do Riacho Doce, em alguns momentos do ano, costuma se fechar pelo movimento natural das marés e pela deposição de areia na sua desembocadura”, afirma o secretário de Meio Ambiente de Conceição da Barra, André Tebaldi. “O que fizemos foi acelerar o processo de construção da barreira, tendo em vista o momento de alerta pelo qual estamos passando”, completou.

Dando continuidade às ações preventivas, a Coordenação de Operações do Gabinete de Gestão de Crise realizou, na tarde de quarta-feira e nesta quinta-feira (7), novas vistorias nas praias localizadas ao norte do Riacho Doce, com o auxílio de voluntários, não tendo sido encontrados vestígios do óleo na região. 

As atividades desenvolvidas em Conceição da Barra integram um conjunto de outras ações realizadas nos municípios vizinhos. Na manhã dessa quarta-feira, o secretário André Tebaldi manteve contato com a Secretaria de Meio Ambiente do município baiano de Mucuri e recebeu a informação de que o material coletado naquela cidade não é derivado do óleo que contaminou o litoral nordestino. “As características físicas das amostras indicam um material que está exposto à ação do vento e da natureza há um tempo bem considerável”, explicou Tebaldi.

Em São Mateus, foi feito um alinhamento de informações no campus da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O professor Yuri Walter e representantes do Iema e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizaram uma reunião de nivelamento e capacitação com professores, servidores e alunos da instituição. Cerca de 80 pessoas participaram da capacitação e parte desse público deverá atuar como voluntários, caso necessário.

Visando uma melhor organização de ações em âmbito estadual, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) convocou os secretários de meio ambiente das cidades litorâneas que vão de Conceição da Barra até Aracruz, para uma reunião em Vitória. O encontro  definiu a estrutura do Sistema de Comando Unificado, composto pelo secretário de Estado de Meio Ambiente, Fabricio Hérick Machado; pelo coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, Cel BM André Có Silva; pelo superintendente do Ibama/ES, Diego Libardi Leal; e pelo Comandante da Capitania dos Portos do Espírito Santo, Capitão de Mar e Guerra Silvio Fernando Ferreira.

O Sistema de Comando Unificado é o responsável pelo planejamento, logística e operação das ações que serão colocadas em prática no litoral capixaba, caso as manchas de óleo atinjam as praias do Espírito Santo.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

III Semana Sem Petróleo começa neste domingo

Viradão Antipetroleiro no youtube inicia programação, que passa por Caparaó, litoral sul e Grande Vitória

Marinha confirma chegada do óleo ao Espírito Santo

Material foi encontrado em Guriri, balneário de São Mateus, norte do Estado

'Há uma sobreposição da zona de sacrifício: primeiro a lama. Agora, o óleo'

Francisco Nonato, do Conselho Pastoral dos Pescadores, critica negligência dos governos e riscos à saúde

Áreas de eucalipto poderiam assentar 17 mil famílias sem terra no Estado

Com base no Censo Agropecuário, MST denuncia a concentração de terras no norte do Espírito Santo